Artigos

O ministério da sala de aula

É nesse espaço especifico da Escola Dominical que me situo para, através do ministério do ensino, avançar no conhecimento da dinâmicadas relações professor/aluno, que dá vida aoprocesso de ensino e aprendizagem. É obvio que o ministério de ensino é uma prática que merece a observância da pedagogia de Jesus. Destacamos aqui a importância do ministériode ensino de Jesus (Mt 9.35), um ministério de total dedicação educacional do evangelho do Reino. Na verdade Jesus é considerado como um dos grandes Mestres da humanidade, porque Seu ensino se caracterizava pelo seu estilo de amorosidade, profundidade, didática inovadora, aplicabilidade e interação com seus ouvintes.Se, de um lado, a sala de aula absorve normas ditadas pela estrutura didático-administrativa da ED, por outro, ela constitui-se no principal espaço onde se desenvolvem as ideias e as propostas para mudanças nessa estrutura.

Por isso, a ED deve ser entendida como um espaço educacional de transformações constantes nas áreas didática e administrativa, pois trata-se de uma instituição que não pode ser estaticamente imutável, porque é a dinâmica da relação professor/aluno e estrutura de ensino que devem ditar as regras de gestão e aprofundamento epistemológico. É no cotidiano da sala de aula que a filosofia de um curso da ED que está sendo ministrado e a sua estrutura e organização curricular são postas à prova. Para além de sua relação com a totalidade da instituição, a sala de aula constitui, na ED, um espaço de captação das demandas e pressões espirituais.

No ministério do professor dominical, a sala de aula ocupa tempo e espaço relevantes. O professor não pode confundir sala de aula com púlpito. O púlpito é um espaço para pregação e a sala de aula, claro, um espaço para o ensino. Isto entendido fica mais fácil identificar a diferença entre púlpito e sala de aula, porque muitos professores dominicais confundem o ministério de ensino como ministério de pregação. Ser professor dominical é ser guia, orientador, ensinador, pedagogo do evangelho. Podemos dizer que a vida ministerial do professor dominical, que no seu ministério em sala de aula o professor dominical se dedica por inteiro a ela, com sua teologia, sentimentos, intelecto e prática pedagógica. É também nesse ministério dominical que ele atua com regularidade, constância e espontaneidade, esta decorrendo, muitas vezes, da não reflexão sobre as ações que se reproduzem domingo a domingo. Essas ações realizaram-se baseadas na probabilidade, sem o cálculo rigoroso de suas implicações.

Nelas, pensamento e prática se unificam, sem que as ideias em que se baseiam as decisões se elevem ao nível da reflexão teórica. É em razão desse agir não reflexivo e não questionador que a tendência do ensino da ED da sala de aula se caracteriza muitas vezes por uma prática pragmática e não por uma práxis. É nesse fazer não rigoroso, porque espontâneo, que predispõe o professor dominical à acomodação, à insatisfação, à prática de modismos, de hábitos, costumes e técnicas não bem definidas e organizadas. A sala de aula é um desafio que todo professor dominical deve ter em mente, que ele precisa ter consciência de sua missão, que deve encarar como um ministério que exige compromisso, responsabilidade, seriedade e total dedicação. Essas ideias surgem, bem como às de outros teólogos da educação dominical por mim refletidas anteriormente sobre relações professor-aluno em sala de aula. ED é um espaço onde a glória de Cristo deve refletir a vocação do obreiro que se propõe a ensinar o evangelho da graça de Deus. O ministério de ensino dominical agora deve ampliar o foco da escola abrangendo toda a estrutura de ensino, compreendendo a diversidades de disciplinas que são ministradas a cada trimestre, a diversidades de características psicológicas de a diversidades de características psicológicas de cada faixa etária, oferecendo características próprias dos seus conteúdos e procedimentos de ensino.

A sala de aula e o ministério do professor dominical e dos alunos deveria ser a questão primeira da administração de uma igreja local. Levantar os problemas e as necessidades pedagógicas em sala de aula permitiria avançar na explicitação de outros componentes institucionais e teológicos que se relacionam imediata ou mediatamente com o ensino e que intervém na sua concepção e forma de efetuar-se. A razão de muitas classes dominicais fracassarem se encontra na política eclesiástica como é distribuído as tarefas educacionais e administrativas da ED, não levando em consideração a formaçãotécnico-teológica do professor dominical, bem como o plano de desenvolvimento institucional da escola. O grande problema é que muitos pastores pensam que a ED deve ter a mesma estrutura de uma igreja, onde a sala de aula deve imitar um culto, por exemplo. Este modelo de ensino dominical tem levado a prática de ensino a falência, a estagnação e rejeição por parte dos alunos. Ninguém quer frequentar uma escola que tem a cara de um culto. O culto tem sua própria estrutura administrativa e espiritual, mas a sala de aula é um espaço onde o ministério do professor dominical deve seguir todas as exigências cabíveis de uma estrutura e funcionamento da ED. Foi desse ministério de ED, portanto, que partipará conhecer o ensino e para nele intervir.

Como professor, educador, pedagogo e mestre em ciências da educação, vejo que há uma profunda deficiência em muitas igrejas que possuem o ministério de ED, pois não há critérios, normas, gestão e preparo de pessoas habilitadas e capazes de oferecer o melhor ensino da Palavra. Melhor falando, é através de uma atuação investidora e questionadora na salade aula que provocamos a ruptura com as deficiências educacionais da ED, passando da ineficiência pedagógico-administrativa à visão transformadora pedagógico-administrativa à visão transformadora do ministério de sala de aula. Para saber dos professores dominicais a concepção que tinham do ministério de Ensinar e do que facilitava ou dificultava o seu bem desenvolvimento, elaborei um questionário cujas questões referiam-se ao ato de ensinar e às circunstancias em que ele acontecia.

O instrumento de verificação recebeu o nome de Ensino Dominical. Como resultado da minha tese de pós-doutorado em teologia, abordando a seguinte pesquisa: o legado pedagógico do puritanismo – a educação teológica como professor de transformação social. Esta tese foi apresentada à banca de doutorado da Universidadeda AWU nos Estados Unidos da América, em novembro de 2014. Uma amostra de 10% da totalidade dos professores foi escolhida, representando as categorias de titulação do professor ao superintendente. Considerou-se também o tempo de ministério/docência desses obreiros variando de um a dez anos ou mais, 43 professores responderam ao questionário. Neste trabalho, tomei como objeto de análise quatro questões abertas por oferecer aos professores a oportunidade de falar sobre o seu ministério de ensinar, como abaixo:. Que habilidades, conhecimento ou atitudes não definidos no presente questionário lhe parecem importantes para o sucesso no ministério de professor dominical: Quais e por quê? Com base em sua experiência docente/dominical, que atitudes dos professores, expressas na sua conduta de ensino, favorecem ou dificultam o aprendizado do aluno?. Do ponto de vista das condições de ministério em sua igreja/escola bíblica dominical, o que facilita ou dificulta suas atividades pedagógicas? Gostaria de melhorar seu ministério de ensino? Como? Considerando todas as questões acima, como avaliá-las?

Artigo de Roberto dos Santos publicado na Revista Ensinador Cristão, ano 17 - nº 66 – abr/mai/jun de 2016. 

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.