Lição 2 - A Bíblia é a Inspirada Palavra de Deus

4º Trimestre de 2019

 

ESBOÇO DA LIÇÃO
O QUE É A INSPIRAÇÃO PLENA DA BÍBLIA
HOMENS QUE ELABORARAM O MANUAL DO FABRICANTE (O LADO HUMANO)
O ESPÍRITO SANTO INSPIROU ESSES HOMENS (O LADO DIVINO)

OBJETIVOS
Ensinar o conceito da inspiração divina das Escrituras;
Mostrar qual a participação humana na escritura da Bíblia;
Explicar os alunos da importância de obedecer a Bíblia;

SIGNIFICADO E FORMAS LITERÁRIAS

Robert H. Stein

É obvio que a nossa escolha de certas palavras pode, às vezes, ser motivada menos pelo desejo de informar e esclarecer do que pela vontade de despertar e afetar as emoções do leitor. Os escritores bíblicos, naturalmente, estavam cônscios disso, de modo que escolheram as palavras e as formas literárias que melhor poderiam transmitir o significado pretendido. Em algumas oportunidades, como acontece em Lucas 1.4, a intenção do autor era transmitir uma informação segura. Assim, preferia lançar mão da linguagem referencial, pois tratava-se da melhor forma de transmitir uma informação segura. Assim, preferia lançar mão da linguagem referencial, pois tratava-se da melhor forma de transmitir o que deseja naquele momento. Quando pretendia registrar informações sobre as leis divinas, usava formas legais, como encontradas nos livros de Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio. Às vezes, a melhor forma era através de cartas ou epístolas. Assim, encontramos várias na Bíblia, como, por exemplo, as de Paulo, Pedro e João. Em outros momentos, quando o propósito era compartilhar informações de natureza histórica, a melhor forma era narrativa. Vários livros da Bíblia empregaram este gênero (de Gênesis à Ester e de Mateus à Atos). Até mesmo na linguagem profética encontramos narrativa, como por exemplo, em Jeremias 26―29; 32―45; 52; Ageu 1―2; Daniel 1―6.

Outras formas literárias tendem a estar mais próximas da linguagem não-referencial. Nesta categoria encontram-se os livros de Salmos e Cantares de Salomão. Vale, ainda, ressaltar que em muitas narrativas há, também, poesia (Êx 15; Jz 5; 1 Sm 2) e declarações emocionais. Em alguns casos, no entanto, os textos contêm elementos de ambos os tipos. Provérbios e os livros proféticos são exemplos disso.

Está claro, portanto, que existem várias formas literárias na Bíblia, cada uma com as suas próprias regras de interpretação. Ao lançar mão de cada gênero os autores submeteram-se conscientemente às suas regras com o propósito de transmitir o significado pretendido. Eles tinham também em mente que seus leitores interpretariam os textos segundo as mesmas regras. Se não estivermos cônscios disso, correremos o risco de quase sempre fazer uma interpretação incorreta.

Texto extraído da obra “Guia Básico para a Interpretação da Bíblia”, editada pela CPAD.

Marcelo Oliveira de Oliveira
Redator do Setor de Educação Cristã da CPAD

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.