Subsídios Lições Bíblicas - Adultos

Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas

ESBOÇO GERAL 

I – AS FONTES DE RECURSOS DA IGREJA LOCAL
II – A BASE BÍBLICA PARA OS DÍZIMOS E AS OFERTAS
III – A MORDOMIA DOS DÍZIMOS E DAS OFERTAS NA IGREJA LOCAL 

Elinaldo Renovato
 
A igreja local, como integrante da “[...] universal assembleia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus [...]” (Hb 12.23), além das necessidades espirituais, que devem ser atendidas espiritualmente, possui necessidades materiais, que demandam recursos materiais, financeiros e patrimoniais. A manutenção da igreja local faz parte da administração eclesiástica. Antigamente, tudo era bem mais simples nos cuidados com as igrejas locais. Homens simples, às vezes sem a menor cultura secular, desincumbiam-se das tarefas pastorais, na direção de igrejas, de forma empírica, sem qualquer critério de organização humana ou material.
No entanto, nos dias presentes, as igrejas locais precisam ter recursos materiais, notadamente financeiros, para atender sua manutenção, face às variadas atividades que desenvolvem, tanto para a comunidade interna, formada de membros e congregados, como para o público externo, que inclui a sociedade em que se insere, bem como as autoridades públicas, que governam e organizam a vida da nação. Face essa realidade, a igreja local tem que cumprir a legislação pertinente à sua condição de “organização religiosa, sem fins lucrativos”, como rezam seus estatutos.
Na mordomia da parte financeira, os dízimos e as ofertas, que constituem as contribuições dos crentes fiéis, bem como as fontes de recursos e de financiamento das atividades das igrejas nos dias presentes, há uma legislação que favorece a aplicação independente de certas prestações de contas, até mesmo de imunidade tributária, e, ao mesmo tempo, significa grandes responsabilidades perante as normas que regem o uso dos recursos eclesiásticos. Normalmente, as igrejas são imunes aos impostos, mas precisam declarar suas rendas.
Por isso, os gestores eclesiásticos precisam saber usar os recursos — constituídos pelos dízimos e pelas ofertas — de forma fiel e coerente com a missão que Deus confiou às igrejas locais por meio de seus líderes, administradores ou mordomos diante de Deus. Como diz a Bíblia: “Que os homens nos considerem como ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de Deus. Além disso, requer-se nos despenseiros que cada um se ache fiel” (1 Co 4.1,2). Os dízimos e as ofertas, entregues pelos servos de Deus ao Tesouro da igreja local, são consagrados a Deus e, em última análise, pertencem a Ele. Por isso, devem ser entregues com muito amor e fidelidade e, mais ainda, devem ser aplicados de forma correta e legal, na mordomia das contribuições, com base nos princípios da Palavra de Deus.
 
 
Texto extraído da obra “Tempo, Bens e Talentos”, editada pela CPAD.

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.