Subsídios Lições Bíblicas - Adultos

Lição 1 - Conhecendo os Dois Livros de Samuel

4º Trimestre de 2019

ESBOÇO GERAL
I – CONTEXTO HISTÓRICO DE 1 E 2 SAMUEL
II – AUTORIA E DATA
III – A TEOLOGIA NOS LIVROS DE SAMUEL 

A Originalidade de Samuel

Osiel Gomes

Para uma visão panorâmica do conteúdo de 1 e 2 Samuel, faremos um passeio em aspecto geral, no afã de situar você, leitor, no contexto, a fim de que possa assimilar bem o que nele está proposto. 

Ao abrir a Bíblia Hebraica Stuttgartensi, logo você lerá Shemoel a b b (a, b) e, na Septuaginta, Basileion A. B. G. D. O Cânon Hebraico apresenta 1 e 2 Samuel como um só livro, ou seja, sem a divisão que consta em nossas Bíblias em português. Diversos nomes aparecem nas páginas desses dois livros, mas o protagonista é Samuel, ainda que a ênfase sobre ele seja mais forte nos primeiros quinze capítulos do primeiro livro. Já no segundo, seu nome não aparece, mas ele continua sendo o personagem influente. O doutor Champlin, nesse particular, pontua:

O nome do livro deriva-se de uma das três personagens principais da obra, o profeta Samuel. Ele aparece, com preeminência, nos primeiros quinze capítulos de I Samuel. E, mesmo depois que a história passa a gravitar em torno, primeiramente, de Saul, então, de Saul e Davi, e, finalmente, de Davi apenas, Samuel continua aparecendo como uma das três personagens principais do relato, até a sua morte [...] (1Sm 25.1).

Particularmente, podemos asseverar que isso se deve ao fato de ele haver ungido os dois primeiros reis de Israel, Saul e Davi, o que se tornou algo indelével, mas, talvez, essa ênfase nos dois livros resulte de sua forte influência como profeta de Deus. No segundo livro que leva seu nome, Samuel não aparece mais, posto que a última referência a ele consta em 1 Samuel 28.20.

O nome de Samuel é forte nos dois livros, sendo que só no primeiro ele é citado 125 vezes. Em diversos outros livros das Escrituras Sagradas, seu nome também aparece, como em Crônicas, Salmos, Jeremias, Atos e Hebreus. No geral, perfaz um total de 136 vezes que seu nome é citado. Quanto a essa ênfase constante do nome de Samuel, podemos estar convictos de que não se trata de mera casualidade, mas de dois fatores preponderantes: a presença do Senhor em sua vida e a sinceridade em suas palavras. 

E crescia Samuel, e o Senhor era com ele, e nenhuma de todas as suas palavras deixou cair em terra. E todo o Israel, desde Dã até Berseba, conheceu que Samuel estava confirmado por profeta do Senhor. (1 Sm 3.19,20) 

Em sua origem, como dissemos, no hebraico, esses livros eram um só. A alteração se dá com o surgimento da Septuaginta (LXX) e daí surge a divisão em dois — 1 e 2 Samuel —, os quais eram denominados Livros dos Reinos. Nessa época, também os livros de 1 e 2 Reis, como aparecem em nossas Bíblias, eram chamados de Livros dos Reinos III e IV. No Comentário Bíblico Beacon — Josué a Ester, os autores dizem:

Na Septuaginta, a tradução grega do Antigo Testamento hebraico, os volumes originalmente não divididos foram separados. Os dois livros de Samuel foram chamados de Primeiro e Segundo dos Reinos, e os nossos 1 e 2 Reis eram chamados de Terceiro e Quarto dos Reinos. Jerônimo adotou nomes similares na Vulgata Latina, a fim de chamá-los de Primeiro, Segundo, Terceiro e Quarto Reis, uma prática refletida nos subtítulos da versão inglesa do rei Tiago, conhecida como “King James Version”, ou apenas KJV. O primeiro Livro de Samuel, outrora chamado de o Primeiro Livro dos Reis e o Primeiro Livro de Reis, comumente chamado de O Terceiro Livro dos Reis.

Por vezes alguém pode perguntar qual o propósito das alterações no nome desses livros e se isso afeta a questão da inspiração. Podemos dizer que nada disso implica na matéria da inspiração, mas que se trata apenas de um recurso didático. 

Vale ressaltar que é importante que entendamos a citação dos livros dentro do Cânon Hebraico, também feita por Jesus Cristo (Lc 24.44). Segue então essa estrutura no hebraico:

• Lei. Os cinco livros: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio.
• Os profetas. Estão arrolados em oito livros.
- Os primeiros quatro livros são chamados de profetas anteriores: Josué, Juízes, Samuel, Reis.
- Profetas posteriores, mais quatro livros, os quais envolvem os primeiros três profetas maiores: Isaías, Jeremias, Ezequiel. - Profetas menores, um livro, mencionando os outros doze profetas.
• Os Kethubhim ou Escrituras. Esses são em número de onze livros, os quais podem ser classificados assim:
- Os poéticos. São três livros: Salmos, Provérbios, Jó.
- Os cinco rolos ou Megilloth. Cantares de Salomão, Rute, Lamentações de Jeremias, Eclesiastes, Ester.
- Os três livros históricos: Daniel, Esdras (com Neemias), Crônicas.

Esses livros fazem um total de 24 do Antigo Testamento no Cânon Hebraico, o que, nas nossas Bíblias, corresponde a um total de 39 livros. Em que se baseia a contagem diferente? Podemos responder a essa pergunta usando as palavras do Dr. Turner, em sua Introdução ao Velho Testamento

Os livros históricos, Reis, Crônicas, e Esdras-Neemias, são por nós divididos em duas partes ou livros dos profetas menores, que os hebreus consideravam como um livro só, fazem com que 24 livros mais 11 livros sejam os mesmos 39 livros que temos em nossas Bíblias. Ocasionalmente os judeus uniam Rute com Juízes e Lamentações com Jeremias, perfazendo assim um total de somente 22 livros. (Isso correspondia às letras do alfabeto hebraico).

É bom levar em consideração que o livro de Samuel é da categoria dos profetas anteriores, incluindo ainda os livros de Josué, Juízes, Samuel e Reis. Essa classificação se dá simplesmente pelo fato de relatarem a história que começa com a morte de Moisés indo até o desfecho do reino. A inclusão de Daniel como histórico, e não profético, é resultado de dois fatores: primeiramente, ele não era considerado profeta, ainda que tenha profetizado; em segundo lugar, a metade do seu livro se enquadra em um conteúdo histórico.

Portanto, precisamos entender que, no tocante à organização e mudança de nomes presente em alguns livros, como no caso do Hebraico para o Grego (LXX), nada disso afeta a inspiração da Palavra, mas apenas é uma questão que busca auxiliar o leitor.

Texto extraído da obra “Tempo, Bens e Talentos”, editada pela CPAD. 

Prezado professor, aqui você pode contar com mais um recurso no preparo de suas Lições Bíblicas de Adultos. Nossos subsídios estarão à disposição toda semana. Porém, é importante ressaltar que os subsídios são mais um recurso para ajudá-lo na sua tarefa de ensinar a Palavra de Deus. Eles não vão esgotar todo o assunto e não é uma nova lição (uma lição extra). Você não pode substituir o seu estudo pessoal e o seu plano de aula, pois o nosso objetivo é fazer um resumo das lições. Sabemos que ensinar não é uma tarefa fácil, pois exige dedicação, estudo, planejamento e reflexão, por isso, estamos preparando esse material com o objetivo de ajudá-lo.

Videoaula - pastor Osiel Gomes

  

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.