Subsídios Lições Bíblicas - Adultos

Lição 12 - A Rebelião de Absalão

4º Trimestre de 2019

ESBOÇO GERAL
I – O HOMEM ABSALÃO
II – A REVOLTA DE ABSALÃO
III – A MORTE DE ABSALÃO 

PROCLAMANDO-SE REI

Osiel Gomes

A astúcia de Absalão é grandiosa. Lendo 2 Samuel 15.7-8, ele trabalhou quatro anos, não quarenta, como pontua o texto massorético, para implantar sua insurreição. Podemos crer que a expressão quarenta foi apenas um erro de escrita, visto que quatro no hebraico é arba, mas, no plural, arbaim, o que aconteceu foi apenas a inclusão do im. Todavia, é preferível a citação da Septuaginta e da Versão Siríaca, que mencionam também o número quatro.

Duas coisas podem caracterizar esse filho rebelde de Davi. Absalão, além de ter agudez de espírito, tinha paciência para esperar a execução de seu plano maléfico. Absalão trabalha de modo aparente, sem revelar o que está por trás dos seus projetos. É sob pretexto que diz ao pai que tem que voltar a Hebrom para cumprir um voto que havia feito com o Senhor. Observe que nesse particular ele revela uma piedade disfarçada para Davi, que é iludido, pois era perceptível algo errado. Como era possível, depois de quatro anos, agora é que ele queria ir agradecer a Deus por um voto feito? Por que não fez isso antes?

Na verdade, a ida a Hebrom fazia parte de uma estratégia de Absalão na execução do projeto de proclamar-se rei. Ele escolhe esse local por três razões: primeiro, havia nascido ali (2 Sm 3.2,3); segundo, foi nesse lugar que Davi iniciou seu reino; e, terceiro, tinha um tratado especial por parte da tribo de Judá, a qual o rebelde Absalão queria conquistar. O pai não percebeu nada do que o filho estava fazendo, mas façamos um correlato com o texto de 2 Samuel 13.23-27.

Absalão pede permissão a Davi para fazer um banquete e leva consigo uma parte da corte. Nesse segundo episódio, não convida o rei, o qual simplesmente diz: Vai-te em paz. Esse rebelde jovem parte para seu plano maléfico com aprovação do pai, sem saber que era uma trama para tirá-lo do poder e, daí, aproveita para aliciar as pessoas e buscar apoio, afirmando que o que fazia era segundo a aprovação do rei.

Um pastor ou líder chamado por Deus não pode ser dominado pelo ciúme, nem perseguir os obreiros auxiliares, porém, tem que saber realmente quais são as intenções daqueles que o servem, que o auxiliam na obra. Paulo indicou Timóteo e confiava missão especial a ele porque tinha consciência daquilo que realmente movia o seu coração (Fp 2.19-21). 

Existem aqueles que buscam apoio para determinadas atividades tão somente para complicar a liderança geral, colocando cada membro contra o seu pastor-presidente. Por isso, faz-se necessário todo cuidado nesse particular. Não foi à toa que Paulo disse a Timóteo para que tomasse cuidado com Himeneu e Alexandre (1 Tm 1.20; 2 Tm 4.14,15).

Estando em Hebrom, Absalão envia seus secretos emissários, mensageiros, do hebraico ragal, o qual ia à frente para levar uma mensagem; eles levariam a todo o Israel um sinal no qual se declararia, em um momento exato, a proclamação de Absalão como o novo rei, daí a expressão: “Absalão reina em Hebrom”.

Em Hebrom, Absalão não estava só. Havia com ele duzentos homens selecionados, convidados especialmente por ele, mas o texto diz que eles não sabiam por que estavam lá, ou seja, do que tudo aquilo se tratava. O texto diz que eles foram na sua simplicidade. Isso fala forte a todos os que servem à liderança. Sempre é bom comunicar as coisas ao pastor-presidente da igreja antes de participar de qualquer movimento, evento; perguntar a ele se isso é do seu consentimento ou não, para evitar desgaste e comprometer também a sua vida. 

Salomão disse que “O simples dá crédito a cada palavra, mas o prudente atenta para os seus passos (Pv 14.15). Observe que a palavra simplicidade, que aparece em 2 Samuel 15.11, no hebraico é tom, que quer dizer inocência, integridade. Por vezes, crentes sinceros e bons entram em conflitos, contendas dos rebeldes, porque não sabem de nada, são enganados.

Para mostrar aparentemente ao povo que o que fazia era correto, além dessas duzentas pessoas ele leva consigo um dos conselheiros de confiança do rei Davi, Aitofel de Gilo, uma cidade que se localizava a oito quilômetros de Hebrom. É bom lembrar que Aitofel era avô de Bate-Seba (2Sm 11.3; 23.34). Esse detalhe é importante para dizer que sua aliança com Absalão tinha motivo; ele queria vingar tudo o que Davi havia causado à sua família, incluindo o assassinato de Urias. Nessas circunstâncias todas, Absalão declarou-se rei.

Texto extraído da obra “O Governo Divino em Mãos Humanas”, editada pela CPAD. 

Prezado professor, aqui você pode contar com mais um recurso no preparo de suas Lições Bíblicas de Adultos. Nossos subsídios estarão à disposição toda semana. Porém, é importante ressaltar que os subsídios são mais um recurso para ajudá-lo na sua tarefa de ensinar a Palavra de Deus. Eles não vão esgotar todo o assunto e não é uma nova lição (uma lição extra). Você não pode substituir o seu estudo pessoal e o seu plano de aula, pois o nosso objetivo é fazer um resumo das lições. Sabemos que ensinar não é uma tarefa fácil, pois exige dedicação, estudo, planejamento e reflexão, por isso, estamos preparando esse material com o objetivo de ajudá-lo.

Videoaula - pastor Osiel Gomes

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.