Subsídios Lições Bíblicas - Adultos

Lição 11 – Compromissados com a Evangelização

ESBOÇO GERALESBOÇO GERAL
A EVANGELIZAÇÃO COMO PRIORIDADE
JESUS MORREU PARA SALVAR TODOS OS SERES HUMANOS
A EVANGELIZAÇÃO LOCAL E TRANSCULTURAL

A EVANGELIZAÇÃO COMO PRIORIDADE
Esequias Soares

A maioria da igreja sabe e reconhece que o termo “evangelho” é sinônimo de “boas novas”, e, muitas vezes, essas palavras são usadas alternadamente nos púlpitos. Realmente, trata-se de uma palavra composta de um advérbio e um substantivo gregos, eu, que quer dizer, “bem”, e aggelia, que significa “mensagem, notícia, novas”. De modo que euaggelion quer dizer “boas novas, boas notícias”. O Antigo Testamento emprega o termo hebraico bessorah, “mensagem, boas notícias” (2 Sm 18.20, 25, 27; 2 Rs 7.9), ou “recompensa de mensageiro” (2 Sm 4.10), que a Septuaginta traduz por euaggelion. Com o passar do tempo, o vocábulo passou a ganhar novo significado no mundo romano, de fala grega, em virtude do culto ao imperador, para anunciar o nascimento do imperador ou de sua subida ao trono.

Esse vocábulo só aparece no singular em todo o Novo Testamento, 76 vezes; o verbo, euaggelizô, “evangelizar”, 54; e euaggelistês, “evangelista”, três vezes (At 21.8; Ef 4.11; 2 Tm 4.5). O Senhor Jesus Cristo é o conteúdo do evangelho: sua vinda, seu ministério terreno, seu sofrimento, sua morte e sua ressurreição (Rm 1.1-7). É a mensagem de Cristo que salva o pecador (Jo 3.16; Rm 1.16). É o meio empregado por Deus para a salvação de todo aquele que crer (1 Co 15.2). Só através do evangelho é que o ser humano conhece a salvação na Pessoa de Jesus. O evangelho de Jesus Cristo é a única resposta para este mundo que perece por causa do pecado. A evangelização é o ato de comunicar as boas novas de salvação a todas as pessoas por meio de palavras e ações. É o que Jesus fez (Mt 4.23) e nos mandou que fizéssemos também (Mc 16.16,17).

“Quão formosos são sobre os montes os pés do que anuncia boas-novas, que faz ouvir a paz, que anuncia coisas boas, que faz ouvir a salvação, que diz a Sião: ‘O seu Deus reina!’” (Is 52.7). O portador ou anunciador dessas boas novas (Is 40.9; 41.27) é o mensageiro que comunica a paz, coisas boas e a salvação, ou seja, “O seu Deus reina!”. O apóstolo identifica essa mensagem com o evangelho de Jesus Cristo e o anunciador de boas novas, de pés formosos, com os pregadores do evangelho (Rm 10.15). No Novo Testamento, o evangelho são as boas novas que falam do reino de Deus, da salvação e do perdão dos pecados na Pessoa de nosso Senhor Jesus Cristo. É o evangelho da graça de Deus (At 20.24). O evangelho é a mensagem transformadora do Calvário e não é algo de improviso, pois Deus havia prometido desde “antes dos tempos dos eternos” (Tt 1.2). Essa promessa se tornou conhecida pelos profetas do Antigo Testamento (Rm 1.2) e concretizada nos evangelhos (Lc 2.11; Jo 1.14).

Jesus salva, cura, batiza no Espírito e breve voltará, esse slogan dos nossos pioneiros, Daniel Berg e Gunnar Vingren, é o resumo do evangelho de Jesus Cristo. Jesus é o único Salvador. A palavra grega para “salvador”, sôtêr, “salvador, libertador, preservador”, diz respeito a alguém “que salva de perigo e destruição e conduz a um estado de prosperidade e felicidade; assim em escritores gregos para o libertador e benfeitor de um estado”.1 A declaração de que não há salvação debaixo do céu, a não ser em Jesus (At 4.12), esmagava as religiões pagãs, pois elas atribuíam o título grego de sôtêr a seus governantes e a suas divindades. Somente Jesus é o Salvador de todos os seres humanos, é Ele “que salva o povo da morte eterna, da punição e miséria em consequência do pecado, e lhes dá vida eterna e felicidade em seu reino”.2 Jesus já nasceu Salvador (Lc 2.11). Deus o exaltou a Príncipe e Salvador, “a fim de conceder a Israel o arrependimento e remissão de pecados” (At 5.31). O texto sagrado está dizendo que Deus, ao nomear o Senhor Jesus como Salvador, está dando aos pecadores oportunidade para o arrependimento. Se isso não acontecesse, não teríamos salvação. Esse exclusivismo cristão ainda hoje afronta o mundo pagão e deixa em desconforto até mesmo as religiões monoteístas, que não têm Cristo e nem o Espírito Santo, que esperam a salvação fora da pessoa de Jesus.

A salvação em Cristo é acompanhada da libertação: “Ele nos libertou do poder das trevas e nos transportou para o Reino do seu Filho amado” (Cl 1.13). A liberdade cristã oferecida por Jesus é diferente da liberdade apregoada hoje pela imprensa e pelos políticos. É o ato de libertar a nossa consciência da culpa do pecado e das amarras de Satanás. O Senhor Jesus fez essa promessa a todas as pessoas (Jo 8.31-36), ela continua valendo para os dias atuais: “Se, pois, o Filho os libertar, vocês serão verdadeiramente livres” (Jo 8.36). Devemos permanecer nessa liberdade (Gl 5.1). O aparecimento de Jesus trouxe transformação a um número incontável de vidas, mudou a Galileia e alterou todo o curso da história da humanidade. Jesus tem e é a solução de todos os problemas (Mt 11.28- 30). Ele, e somente Ele, pode dar sentido à vida humana. O mundo está em desespero, mas infelizmente Satanás cegou esses sofredores de uma maneira tal que muitos não conseguem reconhecer Jesus como seu Salvador e Libertador, mas como um concorrente de seus deuses (2 Co 4.4). Hoje, temos de combater o materialismo, o paganismo, a imoralidade, a corrupção e destruir todas as fortalezas do diabo. As pessoas, vítimas dessas coisas, estão gemendo, elas clamam, estão no vale da sombra da morte. Mas, para que a luz do evangelho resplandeça sobre elas, você precisa falar de Jesus, mostrar que Ele é a solução, essa incumbência é nossa. O Senhor Jesus delegou essa tarefa aos seus discípulos, portanto, a cada um de nós (Mt 28.19, 20) e não aos anjos (1 Pe 1.12). Esse é o evangelho que pregamos.

(Texto extraído da obra “Verdadeiro Pentecostalismo”, editada pela CPAD)

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.