Lição 12 - Jesus é traído, preso e negado - Mateus 26.26-75

3º Trimestre de 2019

Prezado(a) Professor(a),

A lição de hoje narra um dos episódios mais delicados do ministério de Jesus: o momento em que Ele foi traído. É comum pensarmos de forma condenatória quando avaliamos a postura de Judas Iscariotes que mesmo depois de ter acompanhado o ministério de Cristo durante três anos, por fim, veio a traí-lo. De fato, é detestável saber que um homem que presenciou a bondade e os milagres operados por Jesus arriscasse tudo entregando o seu amigo para ser morto em troca de dinheiro. Entretanto, é importante ponderarmos que, de certa forma, todos abandonaram o Mestre naquele momento tão difícil. As palavras ditas por Jesus quando afirmou que aquele que compartilhava da refeição com Ele havia de traí-lo, não parece apontar unicamente para Judas, embora Jesus soubesse que este o havia de trair. Mas deixa em aberto que todos quantos ali estavam eram candidatos a cometer a atrocidade que somente Judas teve a coragem de fazer.

“O texto grego tem um particípio aoristo, ho embapsas. Ao invés de indicar um indivíduo em particular, a expressão em grego enfatiza que o traidor de Cristo seria alguém próximo, próximo o suficiente para compartilhar uma refeição. Isto é particularmente significativo na cultura oriental, onde a participação em uma refeição compartilhada implica tanto em intimidade quanto em obrigação mútua. A participação na comunidade cristã nos leva à proximidade de Cristo, mas a proximidade não é suficiente. É preciso haver também o comprometimento” (RICHARDS, O. Lawrence. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2007, p. 83).

A amizade com Cristo não se constitui simplesmente pelo fato de fazer parte de uma igreja instituição. É importante que essa lição seja aplicada aos seus alunos desde cedo. Desfrutar de uma intimidade com Deus não é apenas estar na igreja, frequentar os cultos regularmente (embora seja importante para aprender a Palavra de Deus), frequentar os ensaios para cantar com os grupos musicais, etc. Seus alunos precisam aprender o que realmente significa ter intimidade com Deus. Uma vida de oração e reflexão nas Escrituras Sagradas deve ser acompanhada pela reflexão em relação ao comportamento que apresentamos como resposta ao que temos aprendido na presença do Senhor.

Tiago ensina em sua epístola que “aquele que ouve a mensagem e não a põe em prática é como uma pessoa que olha no espelho e vê como é. Dá uma olhada, depois vai embora e logo esquece a sua aparência” (Tg 1.23). Judas não desfrutou de uma intimidade com Jesus o suficiente para compreender que o reino que Cristo anunciava não pertencia a este mundo. Seus alunos somente compreenderão as virtudes do Reino de Deus se de fato tiverem um encontro com Jesus.

Portanto, é seu papel como professor da Escola Dominical apresentar as verdades do Reino, não apenas com palavras, mas, principalmente, com o seu próprio testemunho para que seus alunos aprendam que Deus leva muito a sério o relacionamento com Ele.

Para reforçar o ensinamento da lição de hoje, sugerimos a seguinte atividade:

Sente-se em círculo com as crianças no chão. Providencie os cartões em E.V.A. e a canetinha. “Diga às crianças o quanto é bom ter amigos. Mas reforce a ideia de que existe alguém muito especial que deseja ser o nosso melhor Amigo. Em seguida peça que os alunos completem a seguinte frase: ‘O meu amigo Jesus é...’. À medida que forem falando, anote nos cartões formando pares, como em um jogo da memória. Exemplo: ‘O meu amigo Jesus é amoroso’. Depois deixe que as crianças brinquem com o jogo da memória que foi formado por elas. Enquanto brincam, reforce o ensino explicando que Jesus é Amigo de verdade. Ele nunca nos deixa ou decepciona. Conclua orando com os alunos. Agradeça a Jesus por seu amor e sua amizade” (BUENO, Telma. Boas Ideias para Professores de Educação Cristã. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2015, p. 37.

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.