Lição 3 - Música secular – vamos conversar a respeito?

1º Trimestre de 2019

 “Foge, também dos desejos da mocidade; e segue a justiça, a fé, o amor e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor” (2 Tm 2.22).

ESBOÇO DA LIÇÃO
1. A MÚSICA NOS DEFINE CULTURALMENTE
2. HÁ MÚSICA PARA TODOS OS GOSTOS
3. A MÚSICA BRASILEIRA
4. DEVO OUVIR ESSAS MÚSICAS?

OBJETIVOS
Destacar a música como parte da cultura das sociedades;
Fazer a análise crítica da música secular;
Alertar sobre o risco da idolatria na cultura pop.

Querido (a) professor (a), você costuma se autoavaliar e refletir sobre sua aula anterior? O que mais gostou, o que achou que deu certo ou precisa ser aprimorado; tem por hábito pedir ou observar algum feedback dos alunos? Essas são práticas simples que podem acrescentar grandemente ao seu ministério.

Antes ou no decorrer do seu preparo para a próxima aula, procure sempre recordar, ver alguma anotação sobre a aula anterior, se ficou alguma pendência, promessa para a aula seguinte e coisas do tipo.

Quando você professor (a) firmar algum compromisso com um integrante ou toda a turma é muito importante não esquecer ou deixar de honrá-lo. Seja sobre levar a resposta de uma indagação da lição anterior, uma dinâmica que ficou pendente, sua palavra de que iria preparar alguma novidade para a aula seguinte, brindes em QUIZ de perguntas e respostas sobre a lição, seja o que for... Se você disser algo a eles, cumpra!

Como sempre frisamos e você mesmo já deve ter observado, antes dos alunos aprenderem com o que o professor (a) diz, eles aprendem com o que o professor (a) faz, observando suas práticas, seu exemplo. Por isso, principalmente para os mais esquecidos ou os que possuem rotinas mais tumultuadas é muito útil manter uma agenda ou caderno especificamente para a ED, para avaliações e anotações desse tipo.

Outra sugestão que também pode ter muita valia é anotar percepções ou preocupações sobre os alunos, especificamente, caso haja, para você ficar em alerta e poder fazer um acompanhamento mais próximo de acordo com o que a situação exigir. Infelizmente, nas igrejas também há jovens praticando a automutilação; às vezes sem que eles mesmos percebam desenvolvendo distúrbios alimentares como a bulimia, anorexia, comer por compulsão; com problemas de ansiedade; depressão; síndrome do pânico, etc. Um professor (a) atento e próximo pode fazer grande diferença na vida desses jovens. Caso note algum comportamento preocupante, anote, se preciso, peça ajuda, orientação a um psicólogo da igreja ou ED, a princípio preservando a identidade do aluno em questão. Um (a) coordenador (a) ou superintendente da ED poderá te ajudar a discernir se é o caso ou momento de reunirem-se com os pais, recomendarem o acompanhamento do adolescente por um profissional, etc.

Na semana passada, aqui neste espaço de subsídio, demos algumas sugestões bem lúdicas ligadas ao tema do trimestre para ser desenvolvida a cada aula. Caso você tenha solicitado, pergunte a eles se trouxeram suas sugestões ou o que mais gostariam de participar dentre as opções que você propôs: “organizar um louvorzão em local público (para o encerramento do trimestre); compor uma canção; apresentar um hino conhecido com um novo arranjo ou estilo musical; fazer paródias divertidas, versão evangélica de algumas músicas; também podem organizar uma versão gospel da brincadeira “Qual é a Música”; postar nas redes sociais um desafio musical a cada semana, desafiando um colega dentro deste tema, que passa a bola para outro e assim sucessivamente; essas apresentações podem ser ao final de cada aula em estilo acústico ou ‘pocket show, etc.’”

Como já explicado, além de tornar as aulas mais atrativas e marcantes para os juvenis, reforçando o aprendizado, esse tipo de estratégia também estimula a criatividade, comunhão e evangelismo. Além de revelar muitos talentos, não só ligados à musicalidade, mas também à liderança, capacidade de organização, criatividade, humor, improviso, capacidade de motivar e encorajar o outro, trabalhar em equipe, dentre outros. Então, além do já sugerido e muito bem proposto em sua revista, procure desenvolver algumas dessas atividades solicitadas ou sugeridas por eles, sempre contextualizando com as lições e tema do trimestre.

O Senhor te abençoe e capacite. Boa aula!

Paula Renata Santos
Editora Responsável pela Revista Juvenis da CPAD

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.