Lição 5 - Obadias – a Soberana Vontade de Deus

1º Trimestre de 2020

“Os olhos do Senhor estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons” (Pv 15.3).

OBJETIVOS
Enfatizar a importância da comunhão;
Justificar a vontade soberana de Deus;
Mostrar que a soberba conduz à destruição.

ESBOÇO DA LIÇÃO
1. CONTEXTO HISTÓRICO
2. ESTRUTURA DO LIVRO
3. A MENSAGEM DE OBADIAS

Querido (a) professor (a), através do estudo do livro de Obadias, vamos aprender importantes lições, não apenas para melhor compreensão deste profeta ou trecho das Sagradas Escrituras, como também e principalmente para aplicá-las às nossas vidas hoje. Comunhão, confiança em Deus e humildade serão temas chaves da nossa próxima aula.

Em meio a tempos de tantas injustiças, crueldades e desigualdades revela-se ainda mais importante crer e confiar na soberania do Altíssimo. Isto não quer dizer, entretanto, que devemos ser passivos frente a estas mazelas. Pelo contrário, afinal como tantas vezes nós mesmos oramos pedindo, e o Senhor se apraz em nos usar para cumprir os seus propósitos, sermos Cristo na terra, anunciando sua mensagem de amor e salvação, em palavras e, sobretudo, em atitudes. Portanto, enquanto aguardamos o agir de Deus em punir os cruéis deste mundo, cabe a nós denunciar suas crueldades, combatê-las e cuidar daqueles que por ela são atingidos.

Outro ponto importante e muito contemporâneo que temos por objetivo elucidar nesta lição é acerca do servo do Senhor se gloriar na dor humana – ainda que esta seja sobre seus “inimigos”. Apesar de um cenário político que incita o prazer na violência com frases de efeito como “bandido bom é bandido morto”, temos de constantemente de nos submeter à penetrante Palavra do Espírito Santo, que nos convence dos nossos próprios pecados, e nos comissiona a pregar o amor de Deus ao PERDIDO. 

Como JESUS disse: Os sãos não necessitam de médico, mas, sim, os que estão doentes; eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores ao arrependimento. (Marcos 2.17). Sob a ótica atemporal do Evangelho bandido bom é bandido convertido! 

A nossa luta continua não sendo contra pessoas, isto é carne ou sangue, mas sim contra principados e potestades, as hostes espirituais da maldade (Cf. Ef 6.10-12).

Reforce estas importantes lições para sua classe, como bem pontua o nosso escritor Ciro Zibordi no texto abaixo, deixando-nos uma reflexão extremamente necessária atualmente acerca do livro de Obadias. 

[...] Há cristãos (cristãos?) que elegem até irmãos como inimigos e alegam ter motivos “nobres” para se regozijarem com o aparente fracasso deles. Que tipo de vida cristã é essa?”

No menor livro do Antigo Testamento (Obadias) há grandes lições. Uma das perguntas que ele responde é a seguinte: Qual deve ser a nossa reação quando vemos um inimigo enfrentando um infortúnio?

Segundo a Bíblia, os nossos reais inimigos são os principados, as potestades, as hostes espirituais da maldade, os príncipes das trevas deste século, e não as pessoas (Ef 6.10-12). 

[...] Obadias pregou numa época em que a cidade de Jerusalém estava sob o ataque violento da Babilônia. E os vizinhos de Jerusalém, os edomitas, estavam torcendo para que os exércitos inimigos os matassem e os destruíssem, como lemos em Salmos 137.7: “Lembra-te, SENHOR, dos filhos de Edom no dia de Jerusalém, porque diziam: Arrasai-a, arrasai-a, até aos seus alicerces”.

Ao que o Senhor disse: “Mas tu não devias olhar para o dia de teu irmão, no dia do seu desterro; nem alegrar-te sobre os filhos de Judá, no dia da sua ruína; nem alargar a tua boca, no dia da angústia”. (Obadias 12)

Observe que as aludidas palavras de escárnio e desprezo, mencionadas em Obadias v.12, foram pronunciadas por parentes consanguíneos dos judeus! 

Afinal, os edomitas eram descendentes de Esaú, irmão de Jacó. E, por isso, Obadias condenou os edomitas por se regozijarem com o sofrimento dos judeus.

Ao final, os filhos de Edom, que pensavam estar comemorando uma vitória com sabor de mel, experimentaram, na verdade, uma derrota com sabor de fel.

Portanto, se alguém que nos tem prejudicado, de alguma maneira, está sofrendo, não devemos, como servos do Senhor, ter o prazer da vingança. 

As Escrituras nos ensinam: “Quando cair o teu inimigo, não te alegres, e não se regozije o teu coração quando ele tropeçar” (Pv 24.17).

Em vez de zombarmos do suposto fracasso de alguém, devemos manter uma atitude de compaixão e perdão, pois “Horrenda coisa é cair na mão do Deus vivo” (Hb 10.31). E é isso que estão buscando os crentes que cantam “Tem sabor de mel, tem sabor de mel” ao verem sofrendo o seu irmão (que eles consideram inimigo).

O Senhor lhe abençoe e capacite! Boa aula.

Paula Renata Santos
Editora Responsável pela Revista Juvenis da CPAD 

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.