Lição 6 - Jonas – Orgulho Humano x Misericórdia de Deus

1º Trimestre de 2020

“Pois tu, Senhor, és bom, e pronto a perdoar, e abundante em benignidade para com todos os que te invocam” (Sl 86.5).

OBJETIVOS
Declarar a graça e a misericórdia divina;
Situar a correção como um ato de amor;
Dizer que a mensagem da redenção é para todos.

ESBOÇO DA LIÇÃO
1. CONTEXTO HISTÓRICO
2. ESTRUTURA DO LIVRO
3. A MENSAGEM DE JONAS

Querido (a) professor (a), em nossa próxima aula, estudaremos um dos mais conhecidos profetas menores – Jonas, assim como o contexto histórico em que se passava, a estrutura literária na Bíblia e principalmente sua mensagem.

Além de todo conteúdo programático sugerido em sua revista – didaticamente elaborado para possibilitar com eficiência o ensino aprendizagem dos alunos na faixa etária de seus juvenis –, deixamos aqui uma interação para conduzir à classe a se aprofundar ainda mais nos objetivos propostos.

Após a lição, enfatize mais uma vez que naquela ocasião “Nínive era absolutamente odiada pelos judeus. Como capital do império assírio, ela representava a maldade, a crueldade, a impiedade e agudeza de um império perverso. 

Mas o Altíssimo, cheio de graça e amor, volta seu olhar para aquela cidade impenitente e decide enviar-lhe sua mensagem de arrependimento para a salvação, através profeta Jonas. O profeta, sabedor de toda maldade praticada pelos ninivitas, resistiu ao chamado divino. 

Entretanto, por misericórdia também de Jonas, não demorou para a sua mensagem de pura misericórdia chegasse até Nínive. 

Jonas aprendeu uma extraordinária lição a respeito do grande amor e misericórdia de Deus. Nós também não podemos nos esquecer que a mensagem da salvação é para toda a humanidade”.

Portanto, levante o debate entre a turma propondo as seguintes perguntas: 

- Porque vocês acham que Deus insistiu em Jonas, invés de enviar outro profeta quando ele desobedeceu?

- Na opinião de vocês, em nossos dias que grupo em nossa sociedade poderia ser classificado como os “odiados ninivitas” para nós evangélicos?

- Vocês acham que alguns de nós, evangélicos, têm se comportado como Jonas, ao preferir desobedecer a Deus a ver o “povo de Nínive” perdoado e salvo pela misericórdia dEle?

- Com base em nossa lição e sob a ótica da graça divina – que também alcançou a cada um de nós, quando nenhum de nós merecia – , você acha que a frase “bandido bom é bandido morto” está correta?

- O que vocês acham que é necessário para que, assim como o profeta Jonas, nós também possamos nos arrepender e ir até os “ninivitas” com a mensagem poderosamente amorosa da Palavra de Deus?  

- De que maneiras podemos fazer isto?

- E individualmente, existe alguém a quem você tem privado da mensagem de Deus por mágoa, discordância ou qualquer outro motivo?

Estas reflexões são extremamente importantes para a aplicação pessoal das poderosas lições que aprendemos através do livro e vida do profeta Jonas. Precisamos nos lembrar de que a mensagem do Evangelho vai na contramão do mundo, dos ventos de doutrina, tendências políticas ou sociais. 

O mandamento de Jesus de amar a Deus e ao próximo – podendo ser este até mesmo um “inimigo” (Cf.Mt 5.46-48; 22.40; Rm 12.20) –, é extremamente simples porém dificílimo de ser praticado. Requer de nós constante reflexão e autoanálise.

Você pode encerrar este momento lendo os versículos abaixo e orando para que assim como o Senhor insistiu em Jonas, curando seu coração de todo rancor, que Ele também insista em nos enviar até aqueles que, por qualquer que seja o motivo, temos olhado com desprezo, invés de levar a mensagem do amor de Deus até eles.

“Sede praticantes da Palavra e não simplesmente ouvintes, iludindo a vós mesmos. 

[...] Se alguém se considera religioso, mas não refreia a sua língua, engana-se a si mesmo. Sua espiritualidade não tem valor real algum! 

A religião que Deus, o nosso Pai, aceita como sincera e imaculada é esta: cuidar dos órfãos e das viúvas em suas dificuldades e, especialmente, não se deixar corromper pelas filosofias mundanas. 

Caros irmãos, como crentes em nosso glorioso Senhor Jesus Cristo, não façais acepção de pessoas, tratando-as com preconceito ou parcialidade” (Tg 1.22-.27)

O Senhor lhe abençoe e capacite! Boa aula.

Paula Renata Santos
Editora Responsável pela Revista Juvenis da CPAD 

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.