Lição 11 - Ageu – o povo da Aliança tem uma responsabilidade com Deus

1º Trimestre de 2020

“Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor” (1 Co 15.58).

OBJETIVOS
Destacar o Reino de Deus como a prioridade de nossa vida;
Estimular aos alunos a ficarem firmes e constantes na obra do Senhor;
Encorajar os desanimados a prosseguirem no propósito de Deus.

ESBOÇO DA LIÇÃO
1. CONTEXTO HISTÓRICO
2. ESTRUTURA DO LIVRO
3. A MENSAGEM DE AGEU 

Além de todo o conteúdo programático presente em sua revista, deixamos abaixo mais um auxílio, acerca da importância de sermos abundantes, buscando nos aprimorar mais e mais na obra do Senhor, nas sábias palavras do saudoso mestre e pastor Antônio Gilberto.

Ministério dinâmico

Antes de tudo, é importante destacar que a Bíblia afirma a necessidade de o obreiro dinamizar o seu ministério. Paulo, por exemplo, em Filipenses 3.13,14, escreve: “E avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo”. E em Romanos 11.13, ele diz: “...enquanto for apóstolo dos gentios, glorificarei o meu ministério”. Ou seja, o obreiro deve avançar no seu ministério e procurar "glorificá-lo".

Em 1 Coríntios 12.31, Paulo disse: “...e eu vos mostrarei um caminho ainda mais excelente”. Aqui, depois de falar sobre os dons espirituais, ele estava apresentado o amor como "um caminho ainda mais excelente". Mas, o que quero destacar nessa passagem é que o apóstolo estimula seus leitores a buscarem "um caminho ainda mais excelente". 

Em Jeremias 3.15, o profeta fala de "pastores (...) que vos apascentem com ciência e com inteligência". E 1 Crônicas 19.10 diz: “...fez escolha dentre os mais escolhidos de Israel”. Portanto, Deus deseja que seus servos sirvam com ciência, inteligência e sejam selecionados entre os melhores (a fim de serem exemplos para os demais escolhidos).

Mas, como o obreiro do Senhor pode melhorar o seu desempenho?

Ele deve melhorar a si mesmo como pessoa; melhorar o seu preparo; melhorar o seu desempenho, como exemplo para os demais (1Pe 5.3). Vamos, refletir em atitudes simples que o ajudarão nesse sentido.

1) O Obreiro deve ler muito 

Todo obreiro deve ler muito. Ler sempre, e acima de tudo, a Bíblia. Mas também ler livros comuns, dicionários, comentários, manuais, atlas, gramáticas, devocionais, jornais, revistas, etc. Paulo disse a Timóteo: "Persiste em ler" (1Tm 4.13).

O primeiro livro do Novo Testamento inicia com a palavra “livro” (Mt 1.1). E em 2 Timóteo 4.13, Paulo no final de seu ministério, no seu último livro, nos momentos finais de sua vida, falou sobre a importância da leitura para ele: "Quando vieres, traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, e os livros, principalmente os pergaminhos".

2) O Obreiro deve cursar formalmente, e continuar seus estudos como um bom autodidata. 

Fazer cursos bíblicos e também cursos seculares. Em Êxodo 5.1, observamos Moisés comparecendo perante Faraó, rei do Egito, o país mais desenvolvido daquela época, e ele era um homem preparado (At 7.22).

Em Atos 17.15, vemos Paulo em Atenas, o maior centro cultural daquela época. Paulo era um homem preparado.

Apolo, em Atos 18.24,25, é descrito como “eloquente, poderoso nas Escrituras, e ensinava”.

3) O Obreiro deve fazer sempre sua autocrítica –

É possível fazer isso de várias maneiras (seja através do próprio confronto com as Sagradas Escrituras no momento de sua leitura devocional, ou orando, dando ouvidos às pessoas que lhes são mais próximas e confiáveis, acerca de suas queixas a respeito de seu temperamento e conduta, etc. O imprescindível é que tal autoanálise seja sempre feita, a fim de que o orgulho e a vaidade não lhes ceguem e cauterizem o seu coração, até que se torne uma pessoa como a que Jesus confrontou: 

[...] por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão e não vês a trave que está no teu olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu?  Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho e, então, cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão”, Mt 7.3-5).  

4) O Obreiro deve conviver próximo a pessoas espirituais e cultas 

Aprendemos muito com as pessoas que escolhemos conviver, pessoas espirituais e cultas em cultura bíblica, e também secular; cultura polivalente. Geralmente, tais pessoas são simples na sua maneira de ser. O obreiro também deve frequentar ambientes culturalmente elevados. 

Em Colossenses 4.7-18, podemos observar aqui os obreiros auxiliares que cooperavam, acompanhavam e assistiam o apóstolo Paulo nos seus trabalhos e nas suas viagens: Tíquico, vv 7,8; Onésimo, v.9; Aristarco, v.10; Marcos, o sobrinho de Barnabé, v.10; Jesus, chamado Justo, v.11; Epafras, v.12; Lucas, o médico amado, v.14; Ninfa, v.13 (no original, o nome Ninfa está no caso acusativo de declinação gramatical (Nymphan); daí não se saber se trata de nome masculino (Nymphas) ou o nome feminino (Nympha) (É o mesmo caso de Romanos 16.7, onde lemos “Júnia”. No original, está no caso acusativo: "Ioyniam").

O Senhor lhe abençoe e capacite! Boa aula.     

Paula Renata Santos
Editora Responsável pela Revista Juvenis da CPAD

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.