Lição 13 - Malaquias – o Valor da Família

1º Trimestre de 2020 

Vós, maridos, amai a vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela” (Ef 5.25).

OBJETIVOS
Apontar o propósito de Deus para a família;
Explicar que a aliança de Deus com o ser humano não o isenta do compromisso com a fidelidade;
Evidenciar a importância da integridade familiar.

ESBOÇO DA LIÇÃO
1. CONTEXTO HISTÓRICO
2. ESTRUTURA DO LIVRO
3. A MENSAGEM DE MALAQUIAS 

Querido professor, com a graça de Deus, chegamos ao final de mais um trimestre. Em tempos difíceis, como o que vivemos agora no país e no mundo, combatendo a pandemia do Coronavírus, se faz mais do que necessário reforçarmos o que Jesus veio cumprir ao “rasgar o véu” de separação entre nós e Deus (Mt 27.51; Hb 9.11,12): o Reino de Deus, a Casa do Senhor hoje não são paredes, mas sim pessoas. Portanto, cuide-se bem, para poder continuar cuidando também da sua família e alunos, que são seu ministério.

“Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne” (Hebreus 10.19-20).

Além de todo o conteúdo já bem elaborado pedagogicamente para a próxima lição, queremos deixar aqui uma mensagem de esperança, acerca da nossa maior certeza e alegria – a volta de Jesus para buscar-nos como Igreja. Muito mais agora em um momento tão caótico, nossa oração é para que você e seus alunos sejam avivados por esta gloriosa promessa. 

[...] Pedro via a promessa da volta de Cristo como uma grande consolação para o povo de Deus em seus momentos de tribulação – “para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, s ache em louvor, e honra, e glória na revelação de Jesus Cristo” (1 Pe 1.7).

Paulo exortou os crentes a terem essa mesma esperança: “[...] nós mesmos nos gloriamos de vós nas igrejas de Deus, por causa da vossa paciência e fé, e em todas as vossas perseguições e aflições que suportais, prova clara do justo juízo de Deus, para que sejais havidos por dignos do Reino de Deus, pelo qual também padeceis; se de fato, é justo diante de Deus que dê em paga tribulação aos que vos atribulam, e a vós, que sois atribulados, descanso conosco, quando se manifestar o Senhor Jesus desde o céu, com os anjos do seu poder” (2 Ts 1.4-7).

Todos os crentes verdadeiros anseiam pelo dia em que Jesus Cristo voltará à Terra. Paulo caracteriza todos os cristãos como aqueles que “amam sua vinda” (2 Tm 4.8). João acrescenta: “Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifesto o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, por que assim como é o veremos” (1 Jo 3.2). Em outras palavras, a volta de Cristo introduzirá instantaneamente a plenitude da nossa glorificação.

Por todas essas razões Cristo voltará. Em todo o Novo Testamento, somos ensinados a buscar a sua vinda, ansiar por ela, e aguardá-la pacientemente e com expectativa. Esta tem sido a bem-aventurada esperança de todo verdadeiro filho de Deus desde o princípio dos tempos. E o cumprimento dessa esperança está muito mais perto do que jamais esteve. (MACARTHUR JR., John. A Segunda Vinda. Rio de Janeiro: CPAD, 2013, pp. 49,50). 

Maranata! O Senhor lhe abençoe e capacite! Boa aula. 

Paula Renata Santos
Editora Responsável pela Revista Juvenis da CPAD

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.