Lição 4 - Despertamentos Espirituais na Inglaterra

4º Trimestre de 2020

ESBOÇO DA LIÇÃO
1. O MINISTÉRIO DE JOHN WESLEY
2. O MINISTÉRIO DE PODER
3. O IMPACTO DO AVIVAMENTO INGLÊS NA SOCIEDADE

OBJETIVOS
Conhecer o Ministério de John Wesley;
Mostrar a missão de um homem de Deus;
Destacar o impacto do avivamento inglês na Inglaterra.

Querido (a) professor (a), seguiremos estudando os impactos dos avivamentos na História da Igreja e na vida de pessoas que se puseram a buscar a Deus com todo coração, alma e entendimento. 

Nesta próxima aula veremos como o clamor e ministério de um único homem, John Wesley, transformou a realidade de toda sua nação; semeando frutos que se desdobraram ao longo dos séculos na Inglaterra e servindo de referência a diferentes povos por mais de 200 anos, até os dias de hoje. 

Abaixo leia um trecho da magnífica história de John Wesley, presente no Best-seller da CPAD, “Heróis da Fé”. Seria muito enriquecedor propor para toda a classe a leitura deste livro clássico, que relata avivalistas e avivamentos extraordinários para nos inspirar e principalmente nos despertar a buscarmos mais desse mover sobrenatural e transformador do Espírito Santo também sobre a nossa geração.

John Wesley – Tocha tirada do fogo (1703-1791)

O céu, à meia-noite, era iluminado pelo reflexo sombrio das chamas que devoravam vorazmente a casa do pastor Samuel Wesley. Na rua, ouviam-se os gritos: "Fogo! Fogo!" Contudo, a família do pastor continuava a dormir tranquilamente, até que os escombros ardentes caíram sobre a cama de uma filha, Hetty. A menina acordou sobressaltada e correu para o quarto do pai. Sem poder salvar coisa alguma das chamas, a família foi obrigada a sair casa a fora, vestindo apenas as roupas de dormir, numa temperatura gélida.

A ama, ao ser despertada pelo alarme, arrebatou a criança menor, Carlos, do berço. Chamou os outros meninos, insistindo que a seguissem, desceu a escada; porém, John, que então contava cinco anos e meio, ficou dormindo.

Três vezes a mãe, Susana Wesley, que se achava doente, tentou, debalde, subir a escada. Duas vezes o pai tentou, em vão, passar pelo meio das chamas, correndo. Sentindo o perigo, ajuntou a família no jardim, onde todos caíram de joelhos e suplicaram a favor da criança presa pelo fogo.

Enquanto a família orava, John acordou e, depois de tentar descer pela escada, subiu numa mala que estava em frente a uma janela, onde um vizinho o viu em pé. O vizinho chamou outras pessoas e conceberam o plano de um deles subir nos ombros de um primeiro enquanto um terceiro subia nos ombros do segundo, e alcançaram a criança. Dessa maneira, John foi salvo da casa em chamas, apenas instantes antes de o teto cair com grande fragor.

O menino foi levado, pelos intrépidos homens que o salvaram, para os braços do pai. "Cheguem, amigos!", clamou Samuel Wesley, ao receber o filhinho, "ajoelhemo-nos e agradecemos a Deus! Ele me restituiu todos os meus filhos; deixem a casa arder; os meus recursos são suficientes." Quinze minutos depois, casa, livros, documentos e mobiliários, não existiam mais.

Anos depois, em certa publicação, apareceu o retrato de John Wesley e embaixo a representação de uma casa ardendo, com as palavras: "Não é este um tição tirado do fogo?" (Zacarias 3.2).

Encontra-se nos escritos de Wesley, a seguinte referência interessante, desse histórico sinistro: "Em 9 de fevereiro de 1750, durante um culto de vigília, cerca das onze horas da noite, lembrei-me de que era esse o dia e a hora, havia quarenta anos, em que me tiraram das chamas. Aproveitei-me do ensejo para relatar a maravilhosa providência. Os louvores e as ações de graças subiram às alturas e grande foi o regozijo perante o Senhor". Tanto o povo, como John Wesley, já sabiam naquele tempo porque o Senhor o poupara do incêndio. 

[...] Um pastor prega, em média, cem vezes por ano, mas John Wesley pregou cerca de 780 Vezes por ano, durante 54 anos. Esse homenzinho, com a altura de apenas um metro e sessenta e seis centímetros e pesando menos de sessenta quilos, dirigia-se a grandes multidões e sob as maiores provações. Quando as igrejas lhe fecharam as portas, levantou-se para pregar ao ar livre.

Apesar de enfrentar a apatia espiritual quase geral nos crentes, a par de uma onda de devassidão e crimes no país inteiro, multidões de 5 mil a 20 mil afluíam para ouvir seus sermões. Tornou-se comum, nesses cultos, os pecadores acharem-se tão angustiados, que gritavam e gemiam. 

Se célebres materialistas, tais como Voltaire e Tomaz Paine, gritaram de convicção ao se encontrarem com Deus no leito de morte, não é de admirar que centenas de pecadores gemessem, gritassem e caíssem ao chão, como mortos, quando o Espírito Santo os levava a sentir a presença de Deus. Multidões de perdidos, assim, tornavam-se novas criaturas em Cristo Jesus, nos cultos de John Wesley... 

Que você busque a inspiração do Espírito Santo para transmitir aos seus alunos as maravilhas que Ele pode e deseja operar por meio daqueles que o buscam.

O Senhor lhe abençoe e capacite! Boa aula! 

Paula Renata Santos
Editora Responsável da Revista Juvenis

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.