Lição 3 - A Quem eu Adoro?

4º Trimestre de 2019

A lição de hoje encontra-se em: Mateus 6.24-34.

Caro(a) professor(a),

Na aula desta semana seus alunos terão a oportunidade de refletir a respeito da idolatria. Quando ouvimos a palavra idolatria logo imaginamos a figura de um ídolo ou personalidade representado em uma imagem de escultura. O ídolo, porém, vai além da representação artesanal tão comum em algumas religiões.

Jesus ensinou que a idolatria pode ser o amor e a dedicação excessiva a qualquer coisa. A Palavra de Deus é bem clara quanto à idolatria, pois desde o início o SENHOR já havia determinado que o seu povo não adorasse ou dedicasse devoção a qualquer ser, objeto ou outra coisa que fosse denominada como um deus (cf. Êx 20.2-6). Se há uma coisa que deixa Deus mais irado é a idolatria (cf. Is 42.8). Ele não suporta ver seus filhos deixarem de adorá-lo, o verdadeiro Deus, para se voltarem para aquilo que é vaidade.

“Jesus disse que podemos ter apenas um mestre ou senhor. Vivemos em uma sociedade materialista, onde muitas pessoas servem ao dinheiro. Gastam toda a vida acumulando-o, mesmo sabendo que, ao morrer, não o levarão consigo. O desejo de certas pessoas pelo dinheiro e por aquilo que este pode comprar é muito superior a seu comprometimento com Deus e com os assuntos espirituais. Gastam muito tempo e energia, pensando no que têm armazenado (dinheiro e outros bens). Não caia na armadilha materialista, ‘porque o amor do dinheiro é a raiz de toda espécie de males’ (1 Tm 6.10). Você pode dizer honestamente que Deus, e não o dinheiro, é o seu Senhor? Um teste é perguntar a si mesmo quem ou o que ocupa mais seus pensamentos, seu tempo e seus esforços.

Jesus contrastou os valores celestiais com os terrenos quando explicou que a nossa vida deve ser direcionada para coisas que não desaparecerão, que não podem ser roubadas ou consumidas e que nunca se desgastam. 

Não devemos ficar fascinados por nossos bens, a fim de que eles não nos possuam. Isto significa que podemos ter de fazer alguns cortes se os nossos bens se tornarem excessivamente importantes para nós. Jesus exige uma decisão que nos permita viver satisfeitos com o que temos; para tanto, devemos escolher o que é eterno e duradouro” (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 2003, pp. 1228-29).

Aproveite a ocasião e converse com seus alunos sobre coisas que tomam a atenção deles de modo que não conseguem delimitar tempo para a oração e leitura da Palavra. Para ajudá-los a organizar melhor o tempo, elabore uma tabela com um planejamento da rotina diária. A tabela deve constar uma lista com todas as atividades que seus alunos devem cumprir ao longo do dia. Destaque que Deus deve ter prioridade em nosso tempo, por mais numerosas que sejam as nossas atividades. Leve a tabela pronta e peça os alunos para preencherem. Ao final, peça que leiam para que todos possam aprender uns com os outros a respeito da melhor forma de aproveitar o tempo na presença de Deus. 

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.