Lição 9 - Caminhando em Santidade

1º Trimestre de 2020

A lição de hoje encontra-se em: 1 Tessalonicenses 4.1-5.

Prezado(a) professor(a),

Na aula desta semana seus alunos estão convidados a conhecer mais uma etapa que compreende o Plano da Salvação: a santificação. Refletir sobre este assunto parece bem complexo, tendo em vista a fase que seus alunos estão atravessando. Há muitos desafios que o pré-adolescente cristão precisa enfrentar para manter-se santo e submisso à vontade de Deus.

Além da oposição do mundo e dos convites que o crente tem que rejeitar para não pecar, há também uma batalha que predomina no corpo, acerca da qual, o apóstolo Paulo cita alguns detalhes. Paulo denomina este processo de “batalha da carne contra o espírito”, uma luta desigual que influencia as nossas atitudes diariamente para que não façamos o que queremos (cf. Rm 7.15-25).

Essa inclinação descontrolada do nosso corpo pelo pecado chama-se concupiscência. Mas Deus mostrou para o apóstolo que nem tudo estava perdido, pois Cristo venceu o pecado e a morte (Rm 7.24,25). Embora o pecado ainda se encontre combatendo em nosso corpo, já não pode mais nos condenar. Porquanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que já não andam mais conforme a vontade da carne, e sim segundo o espírito, isto é, para aqueles que se dedicam às coisas espirituais em Cristo (cf. Rm 8.1). A nova vida em Cristo é uma vida de esperança, graça e perdão.

Por esse motivo, a reflexão com relação à santificação é tão importante. Vejamos o significado desse termo de acordo com o Dicionário Bíblico Wycliffe (2006, p. 1762):

Santificação é uma palavra derivada do lat. Sanctus; do verbo heb. Qadash, “ser separado, consagrado”; do substantivo grego hagiasmos, “consagração”, “purificação”, “santificação”; do verbo hagiazo, “santificar”, “separar as coisas profanas ou consagrar”, “purificar ou santificar”. [...] As principais ideias relacionadas à santificação são a separação daquilo que é pecaminoso, por um lado, e, por outro, a consagração àquilo que é justo e que está de acordo com a vontade de Deus.

A santificação precisa ser distinguida da justificação. Na justificação, Deus atribui ao crente, no momento em que recebe a Cristo, a própria justiça de Cristo, e a partir de então vê esta pessoa como se ela tivesse morrido, sido sepultada e ressuscitada em novidade de vida em Cristo (Rm 6.4-10). É uma mudança que ocorre “de uma vez por todas” na condição legal ou judicial da pessoa diante de Deus. A santificação, em contraste, é um processo progressivo que ocorre na vida do pecador regenerado, momento a momento. [...]

Desta forma podemos compreender que ser santo é ser separado, assim como Deus é Santo. Além disso, ser santo é encontra-se em um estado de santidade na presença de Deus. No caso da santificação, este é um processo que se inicia a partir do momento em que a pessoa aceita Jesus Cristo como único Salvador e se estende por toda a sua vida. Aproveite a ocasião e converse com seus alunos a respeito das dificuldades que enfrentam para manterem-se santos na presença de Deus. Solidarize-se com seus alunos e diga que você os entende, porquanto, já atravessou por esta fase. Mostre que a graça de Deus é permanente conosco e não nos deixará sozinhos na batalha da carne contra o espírito.

Que Deus abençoe o seu trabalho! Ótima aula. 

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.