Lição 9 - O Dom de Variedade de Línguas

2º Trimestre de 2020

A lição de hoje encontra-se em: 1 Coríntios 12.10; 14.2-28.

Prezado(a) professor(a),

Na lição desta semana seus alunos conhecerão mais um dom espiritual concedido à igreja: o dom de línguas estranhas. O dom de línguas está entre os dons que manifestam a mensagem de Deus, porém, tem a função unicamente de corroborar o crente com poder divino em seu interior. Em muitas ocasiões este dom é mal compreendido pela igreja, trazendo muitas dificuldades desnecessárias. Deus deseja derramar da sua graça renovadora sobre cada crente na intenção de torná-lo cheio do seu Santo Espírito, porém, a mensagem que Paulo direciona à igreja de Corinto é: “faça-se tudo decentemente e com ordem” (cf. 1 Co 14.40).

O dom de línguas é uma das manifestações do Espírito Santo no seio da igreja que tem o propósito de edificação espiritual. Diferentemente de outros dons que operam com vista no coletivo da igreja, este dom tem como alvo de sua atuação o crente individualmente. Isso revela que, embora Deus tenha a preocupação de operar para que todo o seu povo seja fortalecido na fé, Ele também trata com seus filhos em particular.

A respeito da manifestação deste dom o comentário da Bíblia de Estudo Pentecostal (1995, p. 1763) discorre:

No tocante às línguas (gr. glossa, que significa língua) como manifestação sobrenatural do Espírito, notemos os seguintes fatos: a) Essas línguas podem ser humanas e vivas (At 2.4-6), ou uma língua desconhecida na terra, e.g., ‘línguas... dos anjos’ (1 Co 13.1). A língua falada através deste dom não é aprendida, e quase sempre não é entendida, tanto por quem fala (14.14), como pelos ouvintes (14.16). b) O falar noutras línguas como dom abrange o espírito do homem e o Espírito de Deus, que entrando em mútua comunhão, faculta ao crente a comunicação direta com Deus (isto é, na oração, no louvor, no bendizer e na ação de graças), expressando-se através do espírito mais do que da mente (14.2,14) e orando por si mesmo ou pelo próximo sob a influência direta do Espírito Santo, à parte da atividade da mente (14.2,15,28; Jd 20). c) Línguas estranhas faladas no culto devem ser seguidas de sua interpretação, também pelo Espírito, para que a congregação conheça o conteúdo e o significado da mensagem (14.3,27,28). Ela pode conter revelação, advertência, profecia ou ensino para a igreja (cf. 14.6). d) Deve haver ordem quanto ao falar em línguas em voz alta durante o culto. Quem fala em línguas pelo Espírito, nunca fica em ‘êxtase’ ou ‘fora de controle’ (14.27,28). 

Conhecer e saber como se comportar em relação à manifestação do Espírito no seio da igreja não é mérito de alguns, mas um exercício que todos os crentes devem aprender a fim de que o propósito de edificação da igreja seja alcançado. Portanto, caro professor, aproveite a oportunidade e converse com seus alunos a respeito das possíveis dúvidas que tenham sobre o dom de línguas estranhas. A seguir, algumas perguntas que podem nortear o diálogo: 1. As línguas estranhas podem ser aprendidas? 2. Qualquer pessoa pode receber o dom de línguas? 3. O que as pessoas estão falando quando expressam as palavras em línguas estranhas? 4. Há algum idioma que podemos estudar para compreender as línguas estranhas? 5. Você já falou em línguas estranhas? Como foi a sua experiência? Dialogue com seus alunos a partir destas perguntas e abra espaço para outras que surgirão durante a explicação.

Boa aula!

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.