Lição 1 - A Palavra eterna habitou entre nós

4º Trimestre de 2020 

A lição de hoje encontra-se em: João 1.1-5,10-14.

Olá prezado(a) professor(a),

É com muita alegria que queremos parabenizá-lo(a) pela sua trajetória até aqui. Não é fácil ser um(a) professor(a) da Escola Dominical, pois o nosso compromisso está além do ensino. A nossa responsabilidade não se resume em propagar o conhecimento da Palavra de Deus, mas também colocá-la em prática, tendo em vista que não podemos ensinar as verdades bíblicas e ter uma vida completamente oposta ao que ensinamos.

O tema deste trimestre ressalta os ensinamentos de Cristo aos seus discípulos, registrados especificamente no evangelho de João. Em geral, este evangelho é muito utilizado em programas de discipulado por se tratar de um material vasto de informações que relatam as particularidades de Jesus. Se alguém quer conhecer a pessoa de Jesus, sua natureza como Filho de Deus e a obra da salvação consumada na cruz do Calvário este é o evangelho ideal para iniciar a leitura.

A primeira lição deste trimestre tem como título “A Palavra Eterna Habitou entre Nós”. Como já é de praxe saber, o evangelista João apresenta Jesus Cristo como a Palavra de Deus, “o Verbo vivo que se fez carne” (Jo 1.14). João explica a pré-existência, coexistência e participação de Jesus na criação juntamente com o Pai e o Espírito Santo. Jesus não foi criado ou surgiu a partir da gestação no ventre de Maria, Ele estava juntamente com o Pai na eternidade e veio a este mundo cumprir a missão que lhe foi designada.

O comentário da Bíblia de Estudo Pentecostal (CPAD, 1995, p. 1569) discorre a respeito do “Verbo que se fez carne”:

João começa seu Evangelho denominando Jesus de ‘o Verbo’ (gr. Logos). Mediante este título de Cristo, João o apresenta como a Palavra de Deus personificada e declara que nestes últimos dias Deus nos falou através do seu Filho (cf. Hb 1.1). As Escrituras declaram que Jesus Cristo é a sabedoria multiforme de Deus (1 Co 1.30; Ef 3.10,11; Cl 2.2,3) e a perfeita revelação da natureza e da pessoa de Deus (Jo 1.3-5,14,18; Cl 2.9). Assim como as palavras de um homem revelam o seu coração e mente, assim também Cristo, como ‘o Verbo’, revela o coração e a mente de Deus (14.9). João nos apresenta três características principais de Jesus Cristo como ‘o Verbo’.

(1) O relacionamento entre o Verbo e o Pai. (a) Cristo preexistia ‘com Deus’ antes da criação do mundo (cfr. Cl 1.15,19). Ele era uma pessoa existente desde a eternidade, distinto de Deus Pai, mas em eterna comunhão com Ele. (b) Cristo era divino (‘o Verbo era Deus’), e tinha a mesma natureza do Pai (Cl 2.9; ver Mc 1.11). 

(2) O relacionamento entre o Verbo e o mundo. Foi por intermédio de Cristo que Deus Pai criou o mundo e o sustenta (v. 3; Cl 1.17; Hb 1.2; 1 Co 8.6).

(3) O relacionamento entre o Verbo e a humanidade. ‘E o Verbo se fez carne’ (v. 14). Em Jesus, Deus tornou-se um ser humano com a mesma natureza do homem, mas sem pecado. Este é o postulado básico da encarnação: Cristo deixou o céu e experimentou a condição da vida e do ambiente humanos ao entrar no mundo pela porta do nascimento humano (ver Mt 1.23 nota).

Entender que a origem de todas as coisas está ligada inerentemente ao ato criativo de Deus é de suma importância para o fortalecimento da fé. Em muitas circunstâncias seus alunos serão tentados a desistir da fé que receberam e questionados quanto ao que creem. Por conta disso, é importante que tenham em mente que a vida e a criação emanam da fonte que é Deus. Utilize os argumentos apontados na lição de hoje e abra espaço para os seus alunos perguntarem a respeito da origem de Jesus. Mostre aos seus alunos que Jesus Cristo é o nosso maior modelo a ser seguido. 

Tenha uma ótima aula! 

 

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.