Lição 6 – Jesus, O Pão da Vida

4º Trimestre de 2020 

TEXTO BÍBLICO: João 6.47-59.

OBJETIVO:
Reconhecer que todo o sustento vem de Deus;
Entender os conceitos de temporário e eterno;
Compreender o conceito bíblico de vida eterna.

Olá prezado(a) professor(a),

Na lição desta semana seus alunos aprenderão verdades espirituais fundamentais para a caminhada cristã. O evangelista João relata em seu evangelho uma das representações mais intensas a respeito da intimidade e comunhão com Deus. Jesus se autodeclarou “o pão vivo que desceu do céu”, um pão que alimenta a alma de todo aquele que nEle crer. A princípio, os discípulos não compreenderam muito bem o que Jesus quis dizer com essa comparação. Estaria o Mestre sugerindo que seus seguidores se alimentassem literalmente da sua carne e do seu sangue? Evidentemente que não, pois os elementos utilizados por Jesus nesta passagem tinham significado relevante para os judeus daquela época.

Note que o discurso do Jesus é direcionado a um grupo de judeus que o seguiam a fim de questioná-lo sobre os seus ensinamentos. Ao perguntarem sobre a obra de Deus, a resposta de Jesus desloca o entendimento de seus ouvintes do material para o espiritual: “A obra de Deus é esta: que creiais naquele que Ele enviou” (Jo 6.29). A resposta de Jesus aponta que Ele não é o pão que alimenta o corpo físico (embora o seu corpo seja representado no alimento da santa ceia), mas é o pão que nutre a alma do ser humano (6.50,57). Tudo o que os homens buscam ou inventam não podem saciar as necessidades da alma, pois tais necessidades somente a presença de Deus pode suprir.

Ao declarar estes ensinamentos sobre o alimento que nutre a alma, isto é, a fé no Filho de Deus que produz a vida eterna, Jesus usa uma expressão polêmica ao tratar com seus ouvintes: “quem come a minha carne e bebe o meu sangue”. A Bíblia de Estudo Pentecostal (1995, pp. 1584-85) discorre a respeito desta frase:

Esta expressão de Jesus revela que recebemos a vida espiritual crendo em Cristo e tendo parte nEle e nos benefícios redentores da sua morte na cruz (Rm 3.24,25; 1 Jo 1.7). Destaca, ainda, a verdade que continuamos a ter vida espiritual à medida que permanecemos no Cristo vivo e na sua Palavra. Compare o versículo 53 com o 63, onde Ele diz: ‘as palavras que eu vos disse são espírito e vida’. Participamos de Cristo, portanto, à medida que temos fé nEle e aceitamos a sua Palavra em atitude de oração.

1. Jesus é a Palavra (‘Verbo’) viva (Jo 1.1-5). A Bíblia é a palavra escrita (2 Tm 3.16; 2 Pe 1.21). Jesus é o ‘pão da vida’ (v. 35) e em Mt 4.4 Ele disse: ‘Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus’. Portanto, comemos a sua carne ao receber e obedecer à Palavra de Deus (v. 63).

2. Somos salvos pela graça de Deus e pelo poder regenerador do Espírito Santo, primeiramente por ouvir e aceitar a Palavra (Jo 1.12; At 2.41). Continuamos salvos e participantes da graça divina, recebendo continuamente a Palavra de Deus, lendo-a, obedecendo-a e absorvendo-a, em nosso espírito (1 Tm 4.13-16; Tg 1.21). Tendo isto em vista, é fatal o abandono da comunhão com Cristo ou com sua Palavra.

Considere as observações aplicadas no texto acima e leve para a sala de aula os elementos da santa ceia a fim de que os seus alunos possam familiarizar-se com este memorial tão importante para a vida cristã. Você pode levar pão comum e o suco de uva (não utilize os alimentos oficiais da santa ceia da igreja) e explicar a seus alunos o sentido da santa ceia, assim como a importância de participarem deste momento após o batismo. Em seguida, sirva aos alunos e explique que esta atividade não tem o mesmo valor da ceia oficial, mas é útil para o aprendizado e crescimento espiritual.

Tenha uma boa aula!

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.