Lição 2 - O Libertador

2º Trimestre de 2021

Texto bíblico: Êxodo 12.31-41.

Prezado(a) professor(a),

Na lição desta semana seus alunos aprenderão um pouco mais a respeito do nosso Libertador. E quem é o nosso Libertador? O Senhor dos Exércitos, o Todo-Poderoso é quem liberta o seu povo. O texto bíblico desta lição encontra-se em Êxodo 12.31-41 e diz respeito ao momento em que Israel saiu do Egito, da casa da servidão conforme a Palavra do Senhor. Mas para que isso acontecesse, Deus teve que levantar um servo seu fiel, disposto a cumprir esta missão. Seu nome era Moisés, o homem mais manso da terra (cf. Nm 12.3).

Depois de enviá-lo a Faraó muitas vezes para pedir que libertasse o povo e não havendo resposta positiva o Senhor lançou dez pragas sobre a terra do Egito. O juízo de Deus trouxe grande destruição e, por fim, a morte dos primogênitos, inclusive do filho de Faraó. Nesse meio tempo, o Senhor ordenou que o povo hebreu realizasse uma festa que ficou conhecida como Páscoa. A festa deveria ser comemorada por todas as gerações futuras, pois neste grande dia o Senhor libertou os seus servos da terra da servidão, o Egito, e o guiaria pelo deserto rumo à Terra Prometida. Deus não deixou faltar nada para seu povo. 

A Bíblia de Estudo Pentecostal (1995, pág. 132) relata com mais detalhes a respeito desta comemoração:

[...] Cada família tinha de tomar um cordeiro macho de um ano de idade, sem defeito e sacrificá-lo ao entardecer do dia quatorze do mês de Abibe; famílias menores podiam repartir um único cordeiro entre si (cf. Êx 12.4). Parte do sangue do cordeiro sacrificado, os israelitas deviam aspergir nas duas ombreiras e na verga da porta de cada casa. Quando o destruidor passasse por aquela terra, ele passaria por cima daquelas casas que tivessem o sangue aspergido sobre elas (daí o termo Páscoa, do heb. pesah, que significa “pular além da marca”, “passar por cima”, ou “poupar”). Assim, pelo sangue do cordeiro morto, os israelitas foram protegidos da condenação à morte executada contra todos os primogênitos egípcios. Deus ordenou o sinal do sangue, não porque Ele não tivesse outra forma de distinguir os israelitas dos egípcios, mas porque Ele queria ensinar ao seu povo a importância da obediência e da redenção pelo sangue, preparando-o para o advento do “Cordeiro de Deus”, que séculos mais tarde tiraria o pecado do mundo (Jo 1.29).

Assim como Deus livrou o seu povo da servidão, semelhantemente, o sacrifício de Jesus Cristo pode livrar aqueles que creem da servidão do pecado. Para o cristão, a Páscoa possui um sentido mais simbólico: Jesus é o nosso Cordeiro Santo. Por meio de seu sangue podemos ser purificados e temos a nossa culpa removida (cf. Rm 3.23-26). Do mesmo modo como o cordeiro pascal substituía o primogênito, também a morte de Cristo é substitutiva em relação ao crente. Cristo é o nosso Cordeiro da Páscoa, que foi sacrificado por nós (1 Co 5.7).

Para reforçar o ensinamento da lição de hoje, sugerimos que você converse com seus alunos sobre libertação espiritual. Explique que assim como o povo hebreu encontrou resistência ao sair do Egito, semelhantemente, todo aquele que abandona o pecado e se converte a Cristo encontrará a resistência do mundo e de Satanás. Assim como Faraó, o inimigo de nossas almas também luta para impedir que a pessoa sirva a Deus com liberdade. Mostre aos seus alunos que eles devem perseverar na fé, pois o nosso Senhor Jesus Cristo é o Libertador que nos livrará deste “Egito” de pecados e nos levará para a vida eterna. 

Tenha uma excelente aula!

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.