Lição 3 - A Primeira Mulher

1º Trimestre de 2019

Objetivo: Que o aluno compreenda que Deus criou a mulher e, diante dEle, homens e mulheres são igualmente importantes.

Ponto central: Deus ama homens e mulheres de forma igual.

Memória em ação:[...] Não é bom que o homem viva sozinho [...]” (Gn 2.18).

Querido (a) professor (a), como bem sabemos, a Bíblia é uma fonte inesgotável de sabedoria; de uma única passagem podemos tirar inúmeras lições. E é o Espírito Santo quem nos dá e quem expande o nosso entendimento, à medida que buscamos isso nEle. Por isso, a cada aula, ore com sinceridade, clame por sabedoria, o Senhor mesmo te convida:

  – “Clama a mim, e responder-te-ei e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes, que não sabes” (Jeremias 33.3).

Como na época em que Cristo desceu de sua glória para cumprir sua missão salvadora, em nossos dias também existem muitos “doutores da Lei”, pessoas que realmente conhecem a Palavra de Deus, são líderes religiosas, mas tais quais os fariseus que crucificaram a Jesus, elas se apegaram apenas à Letra, deixando o Espírito que vivifica (Leia 2 Coríntios 3.6). Portanto, é essencial ao nos achegarmos para ler, entender e ensinar a Bíblia, termos humildade, nos esvaziar de nós mesmos, nos esvaziarmos da interpretação humana da Palavra, e pedirmos, clamarmos fervorosamente, pela voz e compreensão vindas do próprio Espírito de Deus.

Não importa quantos anos temos de crentes, quantas faculdades e cursos teológicos, ou o número de vezes que já lemos a Bíblia, precisamos sempre buscar o entendimento no Espírito Santo, a sabedoria que não é humana, mas a que vem do Alto: “pura, depois, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia” (Leia Tiago 3.13-17).

Devido à vastidão e variedade de assuntos, aplicações e aprendizados que podem ser extraídos das Sagradas Escrituras, é que, enquanto mestres, ao darmos uma aula sobre ela, precisamos ter em mente o foco em um objetivo. Pedagógica e didaticamente esta metodologia de ensino é mais eficaz e proveitosa, variando na linguagem e conteúdo, de acordo com a faixa etária e nível de conhecimento de sua turma.

Por esta razão sua revista de Primários sempre lhe destaca logo na apresentação da lição o “Objetivo” e “Ponto Central” que permeará toda sua aula. E o deste próximo domingo precisará ainda mais de sua atenção, por ser um tema que lamentavelmente muitas pessoas foram ensinadas erroneamente, acreditando que homens são superiores às mulheres. Alguns até mesmo distorcem a própria Bíblia para apregoar este engano, que ao longo da história já causou graves males.

Você sabia, por exemplo, que até pouco tempo atrás era proibido às mulheres cursar faculdades?! Elas jamais poderiam ter determinadas profissões, trabalhos, lhes era proibido votar e até mesmo denunciar o marido ou pedir o divórcio, quando estes as traíam, espancavam e ameaçavam de morte. Assim, muitas de fato morreram, sem nenhuma ajuda ou proteção.

Em alguns países muitas leis ainda mantém a situação desta maneira nos dias atuais. Apesar de na nossa Constituição brasileira ser diferente, assegurando direitos iguais às mulheres, na prática, os reflexos de séculos desta desigualdade ainda são vistos todos os dias: nos noticiários; nos assédios em locais públicos; nos salários inferiores, mesmo no desempenho da mesma função que o homem; nas centenas de casos de feminicídios, etc.

A Igreja de Cristo não pode se omitir! “Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado” (Tiago 4.17). Ensine à sua classe, tanto às meninas quanto aos meninos, que fazer alguma coisa em prol de qualquer pessoa ou grupo social oprimido e desamparado é um mandamento bíblico:
Abre a tua boca em favor dos que não podem se defender; sê o protetor dos direitos de todos os desamparados!
Ergue a tua voz e julga com justiça, defende o pobre e o indigente” (Provérbios 31.8,9).

Há mais de dois mil anos, Jesus se posicionou contra muitas mazelas sociais vergonhosas de sua época e que infelizmente ainda existem na nossa: hipocrisia religiosa (Leia Mateus 23.13-33); fazer “justiça” com as próprias mãos (Leia Mateus 5.38-48); discriminar pessoas, por qualquer que seja o motivo, raça, gênero, posição social, condição financeira, etc.

Jesus discipulou mulheres e as comissionou a pregarem as Boas Novas, quando judeus nem as dirigiam a palavra ou as permitiam ler a Torá em público/templo; Jesus comeu com publicanos e pecadores – o que era proibido e mau visto pelo povo de Deus; perdoou prostitutas, que pela lei judaica deveriam ser apedrejadas; conversou com samaritanos; tocou leprosos, curou pessoas no sábado... Com o seu exemplo e palavras, Ele nos ensinou a amar a todos, até mesmo os nossos inimigos (Cf. Mt 5.38-48; Jo 13.35).

Como professora você tem a maravilhosa missão e oportunidade de ajudar os pequeninos a se tornarem como Cristo. Essa é origem do termo “cristão”, sermos pequenos Cristos, isto é: agirmos como Ele agiu; combatermos as coisas erradas que Ele combateu; lutarmos em prol dos desfavorecidos e bem comum de nossa sociedade com as “armas” que Ele usou: a Palavra de Deus e o amor (Leia Mateus 22.34-40).

O que é contrário a estas atitudes e ensinamentos de Jesus pode até ser visto na religião evangélica, nas denominações, templos e igrejas. Mas não tem nada a ver com Cristo.

Por tudo isto, querido (a) professor (a), aproveite esta rico instrumento do Senhor que é a Escola Dominical para desde já, ensinar aos pequeninos que Deus criou homens e mulheres, os ama de forma igual e ambos são igualmente importantes.

O Senhor te abençoe e capacite. Boa aula!

Paula Renata Santos
Editora Responsável pela Revista Primários da CPAD

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.