Lição 4 - A Primeira Ordem

1º Trimestre de 2019

Objetivo: Que os alunos compreendam que Deus deseja obediência de seus filhos.

Ponto central: Deus deu uma ordem a Adão e Eva. Deus deseja obediência 

Memória em ação: “Vigiem e orem para que não sejam tentados [...]” (Mt 26.41).

Querido (a) professor (a), na próxima aula teremos a oportunidade de abordar um tema relevante para todas as idades, especialmente necessário de ser explicado e enfatizado na faixa etária de seus Primários – a importância da obediência a Deus!

OBEDIÊNCIA. As palavras hebraicas e gregas traduzidas como “obedecer” ou “obediência” são geralmente shama’ e as formas cognatas de akouo. O significado básico de ambas é “ouvir”. De fato, muitas vezes que o tradutor se confronta com estas palavras e seus cognatos, é muito difícil determinar se a tradução mais apropriada é "ouvir" ou "obedecer". Esta dificuldade, porém, oferece uma visão profunda do conceito bíblico básico de obediência, um conceito que ocorre tanto no AT como no NT.

Embora a obediência expresse uma ação que existe nas relações humanas comuns (tais como discípulos aos mestres ou filhos aos pais), sua referência mais significativa é a de um relacionamento que deve existir entre o homem e Deus. Deus revela-se a si mesmo ao homem por sua voz e palavras. As palavras devem ser ouvidas. Isto obviamente envolve uma recepção física das palavras com uma suposta compreensão mental de seu significado.

Mas em termos da recepção da revelação de Deus pelo homem, este fato em si não é um ouvir verdadeiro. A atitude de ouvir verdadeiramente está ligada à fé que recebe a Palavra divina e a traduz em ação. E uma resposta de fé. E uma resposta positiva e ativa, não meramente ouvir e considerar de forma passiva. Ouvir é agir.

Em outras palavras, ouvir realmente a Palavra de Deus é obedecer à Palavra de Deus. No NT, a ideia de se assumir a responsabilidade de obedecer à Palavra ouvida, ou de se colocar sob esta responsabilidade, é claramente enfatizada pelo termo hupakouo, uma composição dos termos "sob" e "ouvir". Muitas passagens referentes ao ouvir e à obediência obviamente têm em vista este aspecto de resposta positiva e ativa. "Quem tem ouvidos para ouvir, ouça" (Mt 11.15; cf. 13.9,43; Ap 2.7,11,17,29; 3.6,13,22; 13.9). O homem sábio é aquele que "ouve estas minhas [do Senhor Jesus] palavras e as pratica" (Mt 7.24). "As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e... me seguem" (Jo 10.27).

Com respeito à revelação que havia recebido em Patmos, João disse: "Bem-aventurado(s)... os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas" (Ap 1.3). Não há nenhuma dicotomia entre o ouvir e o obedecer. O ouvir verdadeiro é a obediência. (PFEIFFER, Charles F., VOS, Howard F., REA, John. Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p. 1383).

Aproveitando essa rica elucidação do conceito bíblico de obediência, explique-o aos seus Primários na linguagem adequada a eles, e promova uma dinâmica para ilustrar o que foi aprendido.

Seria uma versão adaptada da antiga brincadeira “o Mestre mandou”. Porém, apenas duas crianças de cada vez deverão estar de olhos vedados e atentas, pois só pontuarão ao obedecerem APENAS a instrução que de fato vier do Mestre (poderá ser uma criança voluntária, escolhida antes dos que serão vedados).  As demais crianças, assim como o mestre farão vozes distintas, dando comandos uma de cada vez, tentando se passar pelo Mestre.

Frise que devem ser apenas tarefas que não exija locomoção, isto é, que não seja preciso tirá-los do lugar, já que não estarão enxergando. Por exemplo: “Pule em um só pé”; “Abaixe”; “Imite uma galinha”; “Faça uma dancinha”. Enquanto isso, ao fim de cada comando você pergunta alto aos “Mestres” quem pontuou e anota em um quadro. Dependendo do tempo que você disponha, pode ser 3 ou mais comandos por dupla até as crianças revezarem nas posições da brincadeira.

Ao final enfatize que no mundo há muitas vozes, mas a nem todas deveremos seguir, dar ouvidos ou obedecer. Mas somente àquelas que forem de Deus ou de pessoas usadas por Deus para o nosso bem. Dê alguns exemplos do cotidiano deles: “Se o seu amiguinho disser: ‘vamos sair pra brincar escondido da sua mãe’, essa voz vem de Deus? Você deve obedecer?” “E se disser: ‘Ajude a sua amiga que caiu a se levantar’ Essa voz é boa, podemos seguir?”

Ao final, peça que todos deem as mãos e orem pedindo sabedoria ao Senhor para aprendermos a diferencias as vozes boas das más e ouvirmos apenas as que obedeçam e agradem a Ele.O Senhor te abençoe e capacite. Boa aula!

Paula Renata Santos
Editora Responsável pela Revista Primários da CPAD

 

 

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.