Lição 3 - O Erro de Saul

4º Trimestre de 2019

Objetivo: Que os alunos compreendam que não devemos nos precipitar (agir sem pensar).

Ponto central: O precipitado prejudica a si e aos outros.

Memória em ação: “Agir sem pensar não é bom; quem se apressa erra o caminho” (Pv 19.2).

Querido (a) professor (a),quantas não nos vemos em situações de pressão, necessitando de um direcionamento sobre como agir?! Sabemos que nos guiar pela vontade de Deus é sempre o melhor. Mas como saber qual a vontade de Deus para as nossas vidas, e em cada situação ? Será que em momentos de tensão frente a uma decisão importante, nos precipitamos em agir antes de consultar ao Senhor? Isto foi a causa de Saul perder o seu reinado, que lhe fora dado e tomado pelas mãos do próprio Deus. Sobre esta lição tão significativa na caminhada cristã é que vamos ensinar os Primários na próxima aula.

Além de todos os demais conteúdos presentes em sua revista, lhes deixamos abaixo, como subsídio extra para sua edificação, trecho de um artigo sobre a importância de conhecermos a vontade de Deus, de autoria do ilustre e saudoso mestre, pastor Antônio Gilberto.

Vida Cristã Abundante 
Conheças a vontade de Deus para sua vida

Em Colossenses 4.12, Paulo escreveu: “Sauda-vos Epafras, que é dos vossos; servo de Cristo, combatendo sempre por vos em orações, para que vos conserveis firmes, perfeitos e consumados em toda a vontade de Deus”.

A vontade de Deus, no sentido individual, é o Seu querer e direção para a nossa vida pessoal e em todo o nosso viver e agir, em todos os aspectos da vida. A maior honra e privilegio do homem depois da Salvação é ter a oportunidade de fazer a vontade de Deus. Adão foi criado com esse privilégio, mas perdeu-o por causa do pecado (Rm 7.10). A vontade de Deus é assunto altamente prioritário na oração de todo filho de Deus, todos os dias (Mt 6.10; 1Jo 5.14).
Deus dotou o homem de três extraordinários poderes ou faculdades, a saber: intelecto, sensibilidade e vontade, sendo o poder da vontade o de maior responsabilidade. O poder da vontade (ou poder volitivo) é o nosso poder de escolher, de querer, de decidir e resolver (Jó 5.6; Gn 24.5b; Js 24.15; Is 1.19; Mt 23.37).

Textos-base para o estudo da vontade de Deus são Colossenses 1.9,10 (Devemos CONHECER a vontade de Deus), Efésios 5.17 (Devemos ENTENDER a vontade de Deus), Salmos 143 (Devemos orar para APRENDERMOS A FAZER a vontade de Deus) e Colossenses 4.12 (Devemos ser CONSUMADOS em toda a vontade de Deus).

Quatro tipos de vontade podem haver em nossa vida: a vontade de Deus, a minha vontade (=a vontade da carne) (Rm 7.18; 1Co 9.27; Jo 21.3) – essa vontade, mesmo sendo "boa", não é vontade de Deus –, a vontade de outrem ou de outros, e a vontade do Diabo (2Tm 2.26).

A vontade de Deus é manifestada sob dois aspectos: a vontade geral de Deus e a vontade individual de Deus para conosco.

A vontade geral de Deus é a chamada “providência divina”. São o Seu eterno plano, Seus eternos desígnios e Suas leis gerais em andamento (Ef 2.10; 3.11; Sl 119.91). Ela é manifesta através de Suas leis cósmicas, físicas, naturais, morais, cívicas e espirituais. A vontade geral de Deus é universal.

A vontade individual de Deus para conosco é a Sua vontade específica para cada indivíduo. Essa vontade individual de Deus não é determinista, fatalista, cega, arbitrária, que anula a liberdade do homem como homens, como ensinam os predestinalistas. Essa vontade individual de Deus pode ser Sua vontade permissiva ou perfeita. A vontade permissiva de Deus pode ser vista em passagens como Salmos 106.15 e Números 11.18. Já a vontade perfeita de Deus, em Romanos 12.2.

Deus te abençoe e capacite. Boa aula!

Paula Renata Santos
Editora Responsável pela Revista Primários da CPAD

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.