As experiências que traz o Livro de Jó

prED comentarista Para aprender mais sobre o livro de Jó e se aprofundar em questões sobre quem era Jó, seu lamento e sua defesa, e ainda sobre as teologias dos seus amigos, a CPAD traz como tema da revista Lições Bíblicas deste trimestre um estudo sobre o Livro de Jó. O comentarista indicado para esta tarefa é o pastor José Gonçalves.

Ele destaca que o Livro de Jó, é um dos livros mais fascinantes e também intrigantes do Antigo Testamento. O pastor frisa ainda que não há em toda literatura veterotestamentária uma outra obra semelhante a ela. “Jó é diferente na sua estrutura, no seu estilo e, sobretudo, no seu conteúdo. Todavia, o Livro de Jó, acima de tudo, demonstra a grandeza de Deus frente à finitude humana”.

José Gonçalves é pastor da Assembleia de Deus em Água Branca (PI), escritor, bacharel em Teologia pelo Seminário Batista de Teresina, graduado em Filosofia pela Universidade Federal do Piauí, pós-graduado em Interpretação Bíblica pela Faculdade Batista do Pará e mestre em Teologia por essa mesma instituição. É comentarista de Lições Bíblicas de Adultos da CPAD.

É possível compreendermos todos os propósitos de Deus para a nossa vida?

Um dos pilares da doutrina bíblica da revelação é que Deus se deu a conhecer aos homens. Dessa forma, Deus se revelou a Abraão: “O Deus da glória apareceua Abraão, nosso pai, quando estava na Mesopotâmia, antes de habitar em Harã” (At 7.2; Gn 12.1). Da mesma forma a Moisés no deserto: “Apareceu-lhe o Anjodo Senhor numa chama de fogo, no meio de uma sarça; Moisés olhou, e eis que a sarça ardia no fogo e a sarça não se consumia” (Ex 3.2). A revelação máxima de Deus culmina na pessoa bendita de Jesus Cristo: “O Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1.18). “Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo”(2 Co 5.19). O propósito de Deus, portanto, só pode ser entendido dentro do contexto da revelação. Todavia, sendo Deus um Ser majestoso, alto e sublime é compreensível que os humanos, limitados por sua própria natureza, não contemplem toda a revelação de Deus e consequentemente ignorem aspectos dos propósitos de Deus para suas vidas (Dt 29.29). Há propósitos divinos para os homens claramente definidos nas Escrituras; outros, não. É exatamente isso o que ocorre com Jó. Tanto Jó como seus amigos conheciam alguns aspectos dos propósitos de Deus a eles revelados, mas desconheciam outros. Eles sabiam, por exemplo, que Deus recompensa os bons e pune os maus e que bons prosperam enquanto os maus são punidos. Deus ensina a Jó e a seus amigos que isso era verdade apenas em parte. Dentro dos propósitos de Deus, os bons também poderiam passar por sofrimentos sem que isso significasse uma consequência do pecado ou punição por eles.

Qual a importância de estudarmos o Livro de Jó, principalmente nos dias de hoje?

O Livro de Jó é de uma atualidade impressionante. Isso não poderia ser diferente, já que se trata de um texto canônico e inspirado pelo Espírito Santo (2Tm 3.16). O ensino de Jó se contrapõe com a teologia da retribuição muito em voga em nossos dias. Esse modismo teológico põe o homem diante de Deus numa relação de troca. Se você fizer isso, Deus te dará aquilo. É, portanto, uma teologia de supermercado. Ao demonstrar que o relacionamento com Deus não obedece, necessariamente, a uma lei de causa e efeito, Jó se ergue como um verdadeiro monumento em favor da piedade cristã. Não se pode servir a Deus na expectativade quantos dividendos isso pode trazer para nós. O servir a Ele deve vir como um gesto de gratidão, que é uma resposta à sua graça dispensada a nós.

Todo sofrimento é uma correção divina? Quais as razões do sofrimento?

O livro de Jó deixa bem claro que nem todo sofrimento é uma correção divina e não vem, necessariamente, por conta de um pecado cometido. Os três primeiros amigos de Jó: Elifaz, Bildade e Zofar, pensavam que todo sofrimento era uma provada correção divina por conta de um pecado cometido. O que era, evidentemente, um equívoco. Por outro lado, Jó mostra com clareza que há também sofrimento com propósito pedagógico. É somente com Eliú, um dos personagens protagonistas do livro de Jó, queo sofrimento é apresentado de uma outra perspectiva, que há propósito pedagógico nele.

O fato de Jó ter amaldiçoado o dia de seu nascimento significa que ele desejava cometer suicídio?

O capítulo 3 do livro de Jó mostra de forma dramática o seu dilema. Fica evidente que Jó desejou morrer. Todavia, querer morrer é muito diferente de querer se matar ou cometer suicídio. Jó queria que Deus pusesse um fim ao seu sofrimento e não ele mesmo. Nesse aspecto, ele desejou nem mesmo ter nascido; ter nascido morto ou ainda que Deus pusesse fim ao seu sofrimento pondo fim a sua vida. Por saber que Deus é a causa primária de todas as coisas, Jó acreditava que o Criador estaria por trás das calamidades que lhes sobrevieram.

Embora o leitor fique sabendo da atuação de Satanás nos bastidores da tentação, Jó de nada sabia. Na sua forma de pensar, Deus e não ele poderia pôr um ponto final no seu dilema. Jó lutou contra seus amigos, consigo mesmo e com Deus em busca da razão desua existência. Encontrou. Deus se revelou a Jó de uma forma maravilhosa, de forma que todas as suas perguntas tiveram uma resposta. Jó, portanto, em vez de fazer uma apologia ao suicídio, depõe contra essa prática

Confira essa entrevista completa na Revista Ensinador Cristão, ano 21 nº 83 p. 25-26.

Adquira já a Revista na Loja Virtual ou através do tel: 0800-021-7373. 

Cadastre-se e receba ofertas e novidades por e-mail.